LEIA MAIS@ 13/09/2019 - 18h39 | Presidente recebe impugnação do Paysandu
LEIA MAIS@ 12/09/2019 - 17h58 | Presidente defere conversão a Itair Machado
LEIA MAIS@ 11/09/2019 - 15h54 | Relator suspende jogos do Pernambucano A2
LEIA MAIS@ 11/09/2019 - 11h10 | Paysandu pede anulação de partida
LEIA MAIS@ 09/09/2019 - 11h20 | Nota de Pesar

Paysandu pede anulação de partida
11/09/2019 11h10 | STJD

Daniela Pinho
a A

O Superior Tribunal de Justiça Desportiva do Futebol recebeu no fim da noite desta terça, dia 10 de setembro, o pedido do Paysandu para impugnação da partida contra Náutico, pelas quartas de final da Série C do Campeonato Brasileiro. Protocolado pela secretaria do Tribunal do Futebol, o pedido foi encaminhado para o Presidente Paulo César Salomão Filho.

No documento o Paysandu destaca a marcação de um pênalti inexistente a favor do Náutico aos 49 minutos do segundo tempo pelo árbitro Leandro Pedro Vuaden e ressalta que a marcação errada alterou injusta e completamente o resultado da partida e o destino das equipes.

O Paysandu detalhou ainda que o árbitro estava a metros do lance, de frente para os atletas envolvidos na jogada – tão somente atletas do Paysandu, sem a presença de atleta do Náutico – em que um deles (Caíque Oliveira) cabeceia a bola na direção do braço esquerdo do companheiro de equipe (Uchoa), que estava a uma curtíssima distância, braço que está devidamente recolhido junto ao corpo e que não faz qualquer movimento.

No entendimento do Paysandu o lance foi absolutamente normal, Vuaden tinha visão plena, aproximada e desobstruída do lance, mas aplicou penalidade máxima de forma a mostrar que desconhecia o novo entendimento da Regra 12 do Jogo que fala sobre mão na bola e lista como exceção as infrações de toque “se a mão ou braço estiver perto do corpo e não faça o corpo artificialmente maior”.

De acordo com o Paysandu a única certeza que se tem é que o árbitro cometeu um gravíssimo e claro erro de direito, pois deixou de aplicar a regra, seja por descuido, falta de conhecimento ou qualquer outro motivo. O erro de direito é necessário para ingressar com o pedido de impugnação.

No sentido de reforçar o pedido, o jurídico do Paysandu lembrou ainda a anulação da partida entre Aparecidense e Ponte Preta pelo STJD e das partidas anuladas pela FIFA entre Inglaterra e Noruega na competição sub-19 e o confronto entre Uzbequistão e Bahrein, todas elas por erro de direito.

Desta forma o Paysandu pede:

Seja recebido o pedido de impugnação de partida ora formulado, suspendendo-se os efeitos do resultado da partida até decisão final, devendo ser intimada a CBF para que não homologue o resultado, bem como suspendendo a semifinal entre Juventude e Náutico, agendada para os dias 15 e 22 de setembro;

Ao final, seja julgada procedente a impugnação de partida pelo pleno do STJD, declarando a anulação da partida.

A produção de provas de vídeo com a apresentação da jogada que resultou na penalidade máxima; além de prova testemunhal e prova documental anexada.

Recebida a impugnação a secretaria remeteu o pedido na manhã desta quarta, dia 11 de setembro, para análise do Presidente do STJD, Paulo César Salomão Filho. 


As informações de cunho jornalístico produzidas pela Assessoria de Imprensa do STJD não produzem efeito legal.