LEIA MAIS@ 13/09/2019 - 18h39 | Presidente recebe impugnação do Paysandu
LEIA MAIS@ 12/09/2019 - 17h58 | Presidente defere conversão a Itair Machado
LEIA MAIS@ 11/09/2019 - 15h54 | Relator suspende jogos do Pernambucano A2
LEIA MAIS@ 11/09/2019 - 11h10 | Paysandu pede anulação de partida
LEIA MAIS@ 09/09/2019 - 11h20 | Nota de Pesar

Volante do Flu suspenso por jogada violenta
11/07/2019 15h43 | STJD

Daniela Lameira / Site STJD
a A

A Terceira Comissão Disciplinar do STJD do Futebol puniu na tarde desta quinta, dia 11 de julho, o volante Airton, do Fluminense. Denunciado por jogada violenta na partida contra o Athletico/PR, pela Série A do Campeonato Brasileiro, Airton foi julgado e recebeu dois jogos de suspensão. A decisão foi anunciada por maioria dos votos e cabe recurso.

Na súmula da partida, realizada no dia 2 junho, o árbitro informou que a expulsão se deu com cartão vermelho direto por carrinho de maneira frontal com força excessiva atingindo com as travas da chuteira a canela do adversário. A Procuradoria enquadrou Airton no artigo 254 do CBJD.

Na sessão de julgamento Procuradoria e clube apresentaram prova de vídeo do lance.

Danielle Maiolini, Procuradora da Justiça Desportiva, reiterou a denúncia com pedido de punição ao volante tricolor. “A imagem deixa muito claro que, apesar de eventual alegação de ser segundo amarelo, foi vermelho direto. Jogada violenta claríssima e a Procuradoria pede a punição”, defendeu.

Representada pelo advogado Lucas Maleval, a defesa do Fluminense clareou alguns pontos e pediu a punição mínima ao atleta. “O gramado da Arena da Baixada é sintética e os atletas que não atuam ali não estão acostumados. O Airton perde o tempo da bola, escorrega com o pé esquerdo e atinge o adversário. A reação do atleta atingido demonstra que não foi tão violenta assim. O árbitro não relatou na súmula, mas inicialmente foi aplicado segundo amarelo e depois o VAR chamou o árbitro que interpretou o vermelho. O Airton é um volante de contenção e desde 2016 não vem a este tribunal. A defesa entende que a pena mínima está mais que suficiente para o caso”, justificou o advogado.

Apesar do pedido da defesa o relator do processo, Auditor Jurandir Ramos discordou e justificou seu voto. “Li a súmula e tentei imaginar a sequência do lance. Vendo o vídeo infelizmente entendo que o árbitro aplicou o vermelho direto e ratificou após o VAR. Pela jogada e pela consequência que poderia ter sido grave aplico duas partidas de suspensão”.

Vice-presidente da Comissão, o Auditor José Nascimento acompanhou o relator e acrescentou. “Talvez a visão do árbitro seja diferente para quem estava longe. Dois jogos está uma boa pena, embora o jogador não tenha ficha de antecedentes. Acompanho o relator”.

Terceiro a votar o Auditor Manuel Márcio afirmou que a infração foi grave e acompanhou o relator na punição por dois jogos ao atleta Airton.

Já o Auditor Vanderson Maçullo divergiu na dosimetria. “Vou divergir do relator. Temos que considerar o gramado sintético da Arena da Baixada. O Airton é um atleta viril que chega atrasado, mas considero que na grama sintética perdeu um pouco o tempo. Pelo tempo também sem vir a esta casa, aplico uma partida de suspensão”, explicou.

Presidente da Comissão, o Auditor Sérgio Martinez foi o último a proferir seu voto. “Acredito que a grama sintética facilite esse tipo de lance, mas assim mesmo acho que foi muito ruim. Acompanho o relator em dois jogos”, concluiu.


As informações de cunho jornalístico produzidas pela Assessoria de Imprensa do STJD não produzem efeito legal.