LEIA MAIS@ 22/01/2021 - 13h28 | Atletas da Série D punidos
LEIA MAIS@ 20/01/2021 - 12h19 | Auditor agenda oitivas para apurar injúria na Série A
LEIA MAIS@ 19/01/2021 - 18h36 | STJD destina transações para ajuda a Manaus
LEIA MAIS@ 19/01/2021 - 13h14 | Avaí pede impugnação da partida contra o CSA
LEIA MAIS@ 19/01/2021 - 10h18 | Relator concede efeito suspensivo a Lisca

Técnico do Bahia de Feira suspenso
17/12/2020 13h55 | STJD

Divulgação / Site STJD
a A

Em última instância o técnico Arnaldo Lira, do Bahia de Feira, teve o recurso negado pelo Pleno do Superior Tribunal de Justiça Desportiva do Futebol. Expulso por ofender a arbitragem na partida contra o Gama, pela Série D, o treinador foi punido com quatro partidas de suspensão no artigo 243-F do CBJD. Em recurso julgado nesta quinta, dia 17 de dezembro, os auditores mantiveram, por unanimidade, a pena de primeira instância.

Na súmula da partida o árbitro informou que expulsou o técnico Arnaldo Lira com vermelho direto por se dirigir a arbitragem dizendo: “O senhor não sabe apitar seu covarde, vagabundo, eu não fiz nada pra você me dar amarelo”. Após a expulsão o treinador continuou: “vai tomar no seu c*, seu filho da p*, pilantra, vagabundo, você é horrível, seu ladrão, mal caráter”, relatou o árbitro.

Julgado pela Terceira Comissão Disciplinar no dia 25 de novembro, os auditores puniram o técnico do Bahia de Feira com quatro partidas de suspensão entendendo que houve sim ofensa descrita no artigo 243-F do CBJD. Após a decisão, o jurídico do Bahia de Feira recorreu pedindo a desclassificação e redução da pena imposta.

Para o advogado Milton Jordão, o técnico do Bahia de Feira se excedeu pela elevada emoção ao final do jogo, além de destacar que no futebol é comum e tolerado certos palavrões. O defensor pediu a desclassificação para o artigo 258, inciso II entendendo que a reclamação desrespeitosa se amolda melhor a infração.

Discordando da defesa, o Procurador-geral Ronaldo Piacente afirmou que “não dá para entender como expressão normal do futebol e um simples protesto o que foi dito pelo treinador. Evidente a capitulação no artigo 243-F. A Procuradoria pede que seja mantida a pena de quatro partidas pela gravidade nas palavras”.

Entendendo que a infração foi de ofensa contra a arbitragem, o auditor Paulo Sérgio Feuz, relator do processo, manteve a capitulação no artigo 243-F do CBJD e a pena de quatro jogos aplicada em primeiro grau.

O auditores José Perdiz, Mauro Marcelo de Lima e Silva, Luiz Felipe Bulus, Sérgio Leal Martinez, Anderson Freitas e o presidente Otávio Noronha acompanharam o relator na manutenção das quatro partidas ao técnico do Bahia de Feira.


As informações de cunho jornalístico produzidas pela Assessoria de Imprensa do STJD não produzem efeito legal.