LEIA MAIS@ 03/12/2021 - 19h20 | Gre-Nal: Patrick e Bruno Cortês punidos
LEIA MAIS@ 03/12/2021 - 17h15 | Deyverson, Fred e Dudu punidos
LEIA MAIS@ 03/12/2021 - 13h45 | Athlético absolvido
LEIA MAIS@ 02/12/2021 - 15h55 | STJD finaliza intervenção no TJD/MT
LEIA MAIS@ 02/12/2021 - 12h34 | FLA x BAH: Comissão pune infrações

Série B: Operário absolvido
19/11/2021 14h24 | STJD

Divulgação / Site STJD
a A

O Operário foi denunciado pela invasão de torcedores que tentaram agredir o goleiro do Londrina em partida da Série B. A Quinta Comissão Disciplinar do STJD do Futebol, nesta sexta, 19 de novembro, julgou e absolveu o clube, afastando a responsabilidade do Operário. A decisão em primeiro instância pode ser recorrida. 

Após o término da partida entre Operário e Londrina, no dia 16 de outubro, pela Série B, o goleiro César, da equipe visitante, aproximou-se do alambrado onde estava a torcida mandante para conversar com um torcedor que segurava um cartaz pedindo sua camisa de jogo. O próprio jogador relatou à equipe de arbitragem. Durante essa conversa, alguns torcedores aproximaram-se do alambrado para hostilizar o goleiro. Dois torcedores pularam o alambrado, adentraram o gramado e foram em direção a César com o intuito de agredi-lo. Neste momento os seguranças intervieram, assim como outros jogadores e pessoas ligadas a ambas as equipes, que não deixaram a agressão ocorrer e fizeram com que os torcedores retornassem às arquibancadas, cessando o problema. 

A Procuradoria juntou aos autos vídeos divulgados pela imprensa que mostram a dinâmica e gravidade dos fatos narrados na denúncia.

O Operário, mandante da partida, foi denunciado nos termos dos artigos 213 II do CBJD, "invasão do campo ou local da disputa do evento desportivo”, e artigo 191 III do CBJD, “deixar de cumprir, ou dificultar o cumprimento de regulamento, geral ou especial, de competição”.

Alessandro Kishino juntou aos autos documentos de solicitação de policiamento, solicitação da UTI móvel, a ocorrência feita no mesmo dia e fez uma defesa técnica.

“O 213 não se aplica, porque as medidas preventivas foram tomadas. O artigo 191 a gente não verifica nenhuma obrigação, é mais um dispositivo que norteia a Justiça Desportiva. Não tem como punir o clube por uma infração que não existe, não há tipicidade na conduta”, sustentou o advogado.

A relatora Alessandra Paiva acolheu a tese defensiva e afastou a responsabilidade do Operário.

“Acredito que os elementos nos autos foram capazes de afastar a responsabilidade do clube. Portanto, absolvo tanto no artigo 191 quanto no 213”, disse a relatora, que foi acompanhada pelos auditores Vanderson Maçullo, Eduardo Mello, João Gabriel Maffei e o presidente Otacílio Neves, formando unanimidade.


As informações de cunho jornalístico produzidas pela Assessoria de Imprensa do STJD não produzem efeito legal.