LEIA MAIS@ 24/09/2021 - 11h45 | Isla absolvido e Vanderson punido
LEIA MAIS@ 23/09/2021 - 17h55 | Paulo Carneiro: Transação homologada
LEIA MAIS@ 23/09/2021 - 15h01 | Porto Velho denunciado por escalação irregular
LEIA MAIS@ 22/09/2021 - 14h03 | GRE x FLA: Isla e Vanderson denunciados
LEIA MAIS@ 22/09/2021 - 12h42 | Em pauta injúria racial contra Celsinho

Procuradoria denuncia Jô por agressão
02/09/2020 11h02 | STJD

Daniela Lameira / Site STJD
a A

A Procuradoria da Justiça Desportiva liberou na manhã desta quarta, dia 2 de setembro, a denúncia contra o atacante Jô, do Corinthians, por socar as costas do adversário Diego Costa. O atleta será julgado por praticar agressão física infração prevista no artigo 254-A do CBJD e que prevê suspensão mínima de quatro jogos. Ainda não há data para o julgamento.

A infração foi cometida no clássico entre São Paulo e Corinthians, pela sexta rodada da Série A do Campeonato Brasileiro. No segundo tempo da partida o atacante Jô desferiu um soco nas costas do zagueiro Diego Costa. Embora o fato não tenha sido visto pela arbitragem e não tenha sido citado na súmula, a Procuradoria teve acesso as imagens.

Após análise a Procuradoria se baseou no artigo 58-B do Código Brasileiro de Justiça Desportiva para denunciar o atacante. O parágrafo único do artigo destaca que “em caso de infrações graves que tenham escapado à atenção da equipe de arbitragem, ou em caso de notório equívoco na aplicação das decisões disciplinares, os órgãos judicantes poderão, excepcionalmente, apenar infrações ocorridas na disputa de partidas”.

Para a Procuradoria o atacante do Corinthians “de maneira dolosa praticou a infração imputada, ou seja, teve a vontade livre e consciente de agredir fisicamente, com uso soco nas costas, o atleta adversário, durante a partida”.

Nesse sentido, Jô foi denunciado no artigo 254-A do CBJD por praticar agressão física e corre risco de suspensão de quatro a 12 partidas. O julgamento ainda será agendado.


As informações de cunho jornalístico produzidas pela Assessoria de Imprensa do STJD não produzem efeito legal.