LEIA MAIS@ 01/07/2020 - 13h21 | Comissão pune presidente do Minas Icesp
LEIA MAIS@ 30/06/2020 - 19h43 | Pleno não conhece recursos de clubes da Paraíba
LEIA MAIS@ 30/06/2020 - 17h28 | STJD mantém absolvição ao Brasil de Pelotas
LEIA MAIS@ 30/06/2020 - 17h00 | Pleno absolve Internacional
LEIA MAIS@ 27/06/2020 - 17h05 | Vice-presidente concede liminar ao Bota

Presidente do Bahia advertido
21/11/2019 19h10 | STJD

Daniela Lameira / Site STJD
a A

Por declarações desrespeitosas contra o VAR e a CBF após a partida contra o Santos, o presidente do Bahia, Guilherme Bellintani, foi julgado nesta quinta, dia 21 de novembro, no STJD do Futebol. Por unanimidade dos votos da Terceira Comissão Disciplinar, Bellintani foi advertido. A decisão cabe recurso e pode chegar ao Pleno do STJD, última instância nacional.

Bellintani criticou o árbitro de vídeo após o Bahia ter um gol anulado em lance polêmico e que gerou a derrota para o Santos, na Série A do Campeonato Brasileiro. O fato gerou denúncia da Procuradoria por infração ao artigo 258, inciso II do CBJD.

Presente na sessão, o presidente do Bahia confirmou as palavras ditas e contextualizou o que disse em entrevista. “Disse exatamente tudo aquilo. A minha primeira entrevista após o jogo e dentro de campo foi mais dura e vim aqui exatamente por isso. Me sinto constrangido com o que falei. A segunda entrevista fiz críticas, passei um pouco do tom, mas não fui desrespeitoso. Estava no meu ambiente e fui procurado pela a imprensa. O Bahia foi o primeiro clube a defender o VAR no arbitral da CBF de 2018. A CBF informou a impossibilidade de bancar os custos e ainda assim o Bahia se mostrou favorável, mas foi derrotado na votação. Em 2019 votamos também favoravelmente e foi implantado”.

Bellintani acrescentou ainda. “O Bahia tem oito representações na CBF e nenhuma delas foi respondida. Não há sequer qualquer retorno ao clube sobre as solicitações. A CBF está ali para responder ao clube e não fez. Tive uma reunião com o Gaciba e falamos sobre o que me preocupava e a falta de critérios na marcação de impedimento. A linha virou automática e a tecnologia resolve. O problema é o momento em que essa linha é atribuída. Meu time foi prejudicado 15 dias depois da reunião e perdi o controle, a racionalidade, fui ofensivo. No dia seguinte liguei para todos e pedi desculpas ao Gaciba, a arbitragem, ao presidente da CBF e enviei pedido de desculpas por escrito para o Esporte Interativo. Entendo que, apesar de ter razão, perdi a razão no momento e me descontrolei. Estou aqui para esclarecer e não para abrandar minha pena”, finalizou.

Milton Jordão, advogado do clube, defendeu o presidente. “Temos uma postura sempre de consciência do que o clube significa de responsabilidade social não só dentro de campo. Não esperávamos outra postura que essa de peito aberto e admitir. Lógico que não vou inventar e pedir a absolvição. O que propõe a defesa é que se avalie a advertência. A pressão que vive um dirigente é muito natural. A questão do Bahia não é reclamar por reclamar. Entramos com várias representações e não recebemos nenhum retorno sobre erro ou acerto do VAR. Estamos construindo uma relação com o VAR. O treino para o VAR é no nosso maior e principal campeonato”, sustentou.

Logo após as sustentações, o presidente da Comissão, Sério Martinez colheu os votos. Por unanimidade, os Auditores advertiram o presidente do Bahia, Guilherme Bellintani por infração ao artigo 258, inciso II do CBJD.


As informações de cunho jornalístico produzidas pela Assessoria de Imprensa do STJD não produzem efeito legal.