LEIA MAIS@ 13/09/2019 - 18h39 | Presidente recebe impugnação do Paysandu
LEIA MAIS@ 12/09/2019 - 17h58 | Presidente defere conversão a Itair Machado
LEIA MAIS@ 11/09/2019 - 15h54 | Relator suspende jogos do Pernambucano A2
LEIA MAIS@ 11/09/2019 - 11h10 | Paysandu pede anulação de partida
LEIA MAIS@ 09/09/2019 - 11h20 | Nota de Pesar

Ponte e Paraná punidos por ação de torcedores
11/06/2019 12h37 | STJD

Daniela Lameira / Site STJD
a A

A Segunda Comissão Disciplinar do STJD do Futebol puniu na manhã desta terça, dia 11 de junho, a desordem das torcidas da Ponte Preta e do Paraná em partida da Série B do Campeonato Brasileiro. Por unanimidade dos votos, os clubes foram multados em R$ 1 mil por infração ao artigo 213, inciso I do CBJD. Denunciado por atraso, o Paraná foi absolvido. A decisão cabe recurso.

Na súmula da partida entre as equipes, realizada no dia 25 de maio, pela 5ª rodada da Série B, o árbitro narrou que foram informados pela equipe de apoio “que durante o intervalo torcedores da equipe A. A. Ponte Preta , localizados no setor destinados as torcidas organizadas ,passaram por um portão de contenção chegando ao portão que separava as torcidas, onde ambas torcidas forçaram o portão entrando em confronto, sendo logo separados pela policia militar, não existindo invasão de setor ,ou torcedores identificados e nem vitimas”.

A Procuradoria denunciou Ponte e Paraná pela ação de suas torcidas por infração ao artigo 213, inciso I do CBJD por deixarem de prevenir e reprimir desordens. O Paraná foi denunciado ainda por atrasar um minuto na entrada da equipe para o início da partida (artigo 206).

Em julgamento a Procuradora Natalie Lassance opinou pela condenação de ambas as equipes pelo que foi narrado pelo árbitro e pelo atraso. A Procuradora destacou ainda a reincidência dos clubes.

Pela Ponte Preta o advogado João Felipe Artioli apresentou prova documental e explicou o episódio. “Existe um setor especifico que foi feito para as organizadas. Esse setor é acompanhado pelo policiamento. A Ponte foi preventiva , adotou as medidas e contratou 56 seguranças nessa partida. Existe um muro e um outro portão maciço que separa as torcidas. Não tem como as torcidas terem entrado em confronto. Eles se aproximaram, mas uma não invadiu o espaço da outra. A tv não divulgou nenhuma imagem de confronto, o que demonstra uma total falta de significância. Houve um momento de desajustes demonstrando que as medidas adotadas pelo clube desde 2017 é efetiva. Pedimos a absolvição da Ponte Preta”.

Pelo Paraná a advogada Bárbara Petrucci justificou o pedido de absolvição da equipe os dois artigos denunciados. “O atraso não ocorreu para o início da partida. O clube não deve ser penalizado no artigo 206. Ao artigo 213 me filio a Ponte. O árbitro foi categórico na súmula que foi informado por alguém, mas não viram. Ninguém da arbitragem foi chamado para confirmar o fato. Não há provas nos autos. A defesa entende que houve um equívoco em denunciar o Paraná. O clube era visitante e não deveria responder pelo fato”, concluiu.

O relator do processo, Auditor Francisco Honório, justificou e proferiu seu voto. “O árbitro informou que não houve atraso para o início da partida. Desta forma eu absolvo o Paraná na denúncia do artigo 206 do CBJD. Com relação ao artigo 213, me apego à súmula da partida. Aplico a pena de R$ 2 mil a ambas as equipes, uma vez que o parágrafo 2º do artigo afirma que a equipe visitante também poderá ser punida”.

O voto do relator foi acompanhado na íntegra pelos Auditores Felipe Diogo, Sônia Frúgoli, Marcelo Vieira e pelo Presidente Ivaney Cayres.


As informações de cunho jornalístico produzidas pela Assessoria de Imprensa do STJD não produzem efeito legal.