LEIA MAIS@ 06/12/2019 - 18h01 | Presidente nega liminar do Cruzeiro
LEIA MAIS@ 05/12/2019 - 18h20 | Presidente indefere pedido do Avaí
LEIA MAIS@ 05/12/2019 - 17h33 | Comissão multa Botafogo e Flamengo
LEIA MAIS@ 05/12/2019 - 12h55 | Pleno majora multa do Náutico por invasão
LEIA MAIS@ 05/12/2019 - 11h41 | Pleno reforma decisão de integrantes do Fluminense

Pleno mantém pena a Hélio dos Anjos
20/11/2019 16h40 | STJD

Daniela Lameira / Site STJD
a A

Em última instância nacional o técnico do Paysandu, Hélio dos Anjos, não conseguiu reverter a pena recebida em Comissão Disciplinar do STJD do Futebol. Em julgamento realizado na tarde desta quarta, dia 20 de novembro, no IV Congresso Brasileiro de Direito Desportivo, em Curitiba, os Auditores do Pleno mantiveram a pena de dois jogos de suspensão ao treinador por declaração desrespeitosa na Série C do Campeonato Brasileiro.

A denúncia contra o treinador do Paysandu teve origem após a partida válida pelas quartas de final da Série C do Campeonato Brasileiro. Em entrevista Hélio dos Anjos citou que o clube foi roubado pela arbitragem.

Diante do Pleno, o advogado Osvaldo Sestário contextualizou o episódio e destacou o trabalho duro realizado e encerrado com um erro grosseiro da arbitragem.

“Esse jogo levou ao pedido de impugnação de partida pelo Paysandu. A própria CBF deu um gancho ao Vuaden de 45 dias. O árbitro ficou numa reciclagem. O Hélio do Anjos está invicto e ele foi desclassificado nesse jogo nos pênaltis. Um treinador geralmente faz um contrato de êxito e com certeza ele tinha êxito para levar o Paysandu para a Série B, mas um erro atrapalhou os planos. O Paysandu fez de tudo para que o resultado não fosse mantido pelo erro. O treinador, com a cabeça quente, falou que foi roubada a chance de subir. Quis dizer que foi prejudicado, mas não roubado na literalidade”, defendeu Sestário.

Apesar do pedido da defesa, o relator do processo, Auditor João Bosco afirmou que o erro da arbitragem não justifica o erro na postura do treinador. “Entendo que está bem capitulado e nego provimento ao recurso mantendo a decisão de primeiro grau”, votou João Bosco.

Com o entendimento de que o treinador passou dos limites, os Auditores Décio Neuhaus, José Perdiz, Mauro Marcelo de Lima e Silva, Arlete Mesquita e Vanderson Maçulo acompanharam na manutenção de dois jogos de suspensão.

Presidente em exercício, o Auditor Otávio Noronha encerrou destacando que Hélio dos Anjos colocou em xeque as últimas partidas disputadas pelo Náutico e a credibilidade da competição e acrescentou. “Acho que as palavras são mais graves do que de fato apareceram”.


As informações de cunho jornalístico produzidas pela Assessoria de Imprensa do STJD não produzem efeito legal.