LEIA MAIS@ 23/02/2021 - 20h19 | STJD recebe manifestação do Inter e da CBF
LEIA MAIS@ 22/02/2021 - 19h49 | ENAJD lança Congresso Universitário da Justiça Desportiva do Futebol
LEIA MAIS@ 22/02/2021 - 09h55 | Nota de Falecimento - Roberto Cicivizzo
LEIA MAIS@ 19/02/2021 - 22h46 | Impugnação: Presidente determina juntada de provas e manifestações
LEIA MAIS@ 16/02/2021 - 17h54 | Vasco pede anulação de partida

Pleno mantém dois jogos a Lisca
11/02/2021 14h53 | STJD

Daniela Lameira / Site STJD
a A

O Pleno do STJD do Futebol julgou nesta quinta, dia 11 de fevereiro, o recurso do América/MG em favor do técnico Lisca. Punido em primeira instância com duas partidas de suspensão por desrespeitar a arbitragem na Série B, o treinador teve a pena mantida em última instância. A decisão foi proclamada por unanimidade dos votos.

A infração ocorreu na partida contra a Ponte Preta. Em primeira instância Lisca foi punido com duas partidas de suspensão e obteve o efeito suspensivo para seguir comandando a equipe até o julgamento do recurso.

No Pleno, o advogado Henrique Saliba defendeu o pedido de redução da pena.

“Embora a defesa concorde em parte com o posicionamento da Procuradoria de que equívocos da arbitragem não pode dar carta branca para reclamações, é necessário que se faça uma contextualização. O América disputou ponto a ponto o título da Série B e acabamos perdendo o título por um gol. Os equívocos foram recorrentes. Antes mesmo dessa partida o clube teve dois gols anulados e certamente esses equívocos comprometeram o título do América. Nesse jogo especifico o comentarista disse que o gol foi mal anulado e no segundo tempo a Ponte Preta empatou e perdemos dois pontos. Esses erros tiram um pouco da tranquilidade dos que estão envolvidos no trabalho na beira do campo. Essas palavras para reclamar têm que ser relativizadas. Embora não tenhamos todos os áudios, vemos o Lisca reclamando e não consegui ouvir as palavras narradas na súmula. Mesmo que se prestigie a presunção da súmula o que se vê é uma reclamação corriqueira sem ofensa. Não usa palavrão e não se dirige diretamente ao árbitro. A simplicidade da infração foi tratada pelo próprio árbitro que expulsou o Lisca pelo segundo amarelo. Nesse sentido a defesa vem requerer a reforma da decisão para absolver o denunciado e, alternativamente, a redução para uma partida.

Em contrapartida, Ronaldo Piacente, Procurador-geral da Justiça Desportiva, pediu a manutenção da decisão de primeiro grau. “Apenas que se leve em consideração as palavras ditas, a gravidade delas e a reincidência do denunciado. A Procuradoria opina pelo improvimento do recurso.

Para o relator, auditor Paulo Sérgio Feuz o recurso não merece provimento. “Não se espera do técnico do América uma postura como a que constou na súmula e denúncia. As palavras proferidas ultrapassam a mera insatisfação com a decisões tomadas pela arbitragem e colocam em dúvida a idoneidade daquela instituição. Entendo que a Comissão aplicou corretamente a dosimetria da pena. Por se tratar de reincidente e insistir na reclamação, mantenho os termos da decisão de primeiro grau de suspensão por duas partidas”, explicou o relator.

Os auditores José Perdiz, Felipe Bevilacqua, Sérgio Leal Martinez, Maurício Neves Fonseca, Luiz Felipe Bulus, Anderson Freitas e o presidente Otávio Noronha acompanharam o relator.


As informações de cunho jornalístico produzidas pela Assessoria de Imprensa do STJD não produzem efeito legal.