LEIA MAIS@ 13/09/2019 - 18h39 | Presidente recebe impugnação do Paysandu
LEIA MAIS@ 12/09/2019 - 17h58 | Presidente defere conversão a Itair Machado
LEIA MAIS@ 11/09/2019 - 15h54 | Relator suspende jogos do Pernambucano A2
LEIA MAIS@ 11/09/2019 - 11h10 | Paysandu pede anulação de partida
LEIA MAIS@ 09/09/2019 - 11h20 | Nota de Pesar

Nenê é advertido no STJD
03/09/2019 12h39 | STJD

Daniela Lameira / Site STJD
a A

A Segunda Comissão Disciplinar advertiu o meia Nenê, do Fluminense, pela expulsão na partida contra o Atlético/MG. Denunciado por reclamações desrespeitosas contra a arbitragem, o jogador foi julgado nesta terça, dia 3 de setembro, e foi punido com a pena mínima do artigo 258, substituída pela pena de advertência. A decisão, proferida por unanimidade dos votos, cabe recurso.

Pela 14ª rodada da Série A o Fluminense enfrentou o Atlético/MG. Nos acréscimos da partida Nenê levou um cartão amarelo por reclamação e, após o apito final, recebeu o segundo amarelo por reclamar novamente com a arbitragem.  Na súmula o árbitro narrou que o atleta agiu de maneira acintosa e respeitosa e teria proferido: “seja correto p***, é a mesma coisa, eu encosto e você apita”.

A Procuradoria enquadrou o meia do Fluminense por reclamação desrespeitosa descrita no artigo 258, inciso II do CBJD.

Defensor do Fluminense, o advogado Lucas Maleval sustentou o pedido de absolvição do meia. “Essa frase dita pelo Nenê é uma frase de jogo e faz parte da partida. Não houve uma ofensa direta e nem um palavrão direcionado. Essa exclamação não foge de uma reclamação normal de jogo. O atleta levou o amarelo e ficou de fora da partida seguinte. Esse é um fato que merece a absolvição. Não há nada que justifique uma nova punição no tribunal”, concluiu.

Para o relator do processo, Auditor Francisco Honório, o atleta não deve reclamar com a arbitragem. “Ao meu sentir, mesmo sem palavras desrespeitosas, não é função do atleta reclamar com a arbitragem. Voto pela pena de uma partida convertida em advertência”. Justificou.

O entendimento e voto do relator foi acompanhado pelos Auditores Felipe Diego, Sônia Frúgoli, Marcelo Vieira e pelo Presidente Ivaney Cayres.


As informações de cunho jornalístico produzidas pela Assessoria de Imprensa do STJD não produzem efeito legal.