LEIA MAIS@ 01/07/2020 - 13h21 | Comissão pune presidente do Minas Icesp
LEIA MAIS@ 30/06/2020 - 19h43 | Pleno não conhece recursos de clubes da Paraíba
LEIA MAIS@ 30/06/2020 - 17h28 | STJD mantém absolvição ao Brasil de Pelotas
LEIA MAIS@ 30/06/2020 - 17h00 | Pleno absolve Internacional
LEIA MAIS@ 27/06/2020 - 17h05 | Vice-presidente concede liminar ao Bota

Náutico multado por arremesso e invasão de campo
11/10/2019 15h17 | STJD

Daniela Lameira / Site STJD
a A

A Quarta Comissão Disciplinar do STJD puniu o Náutico pelos arremesso de objetos e invasão de campo na partida que marcou o acesso do clube para a Série B do Campeonato Brasileiro. Em julgamento realizado na tarde desta sexta, dia 11 de outubro, o clube foi multado em R$ 4 mil, sendo R$ 2 mil por infração. Também denunciados, os atletas Diego, do Náutico e Perema, do Paysandu foram suspensos por uma partida por ato desleal e o treinador de goleiros do Paysandu, Silvano de Morais Silva suspenso por dois jogos por conduta contra à disciplina e ética. A decisão cabe recurso.

As infrações denunciadas ocorreram na partida entre Náutico e Paysandu, pelas quartas de final da Série C. O árbitro informou na súmula da partida a expulsão dos atletas por trocarem empurrões e xingamentos nos acréscimos do jogo. O treinador de goleiros do Paysandu também recebeu o vermelho nos acréscimos por ir na direção do banco de reservas adversário e provocar a equipe.

No campo de observações o árbitro sinalizou o arremesso de duas latas de cerveja e um bloco de gelo no campo e narrou a invasão da torcida do Náutico no campo após o clube conquistar o acesso nos pênaltis.

A Procuradoria denunciou o Náutico por infração ao artigo 213, inciso II e III; os atletas Diego e Perema nos artigos 250 e 258 e o treinador de goleiros do Paysandu no artigo 258, todos do CBJD.

Em sessão, o Procurador Rafael Mocarzel afirmou que a invasão é clara e não pode ficar só na multa. “O caso mostra que o estádio não está pronto para receber jogos. Ressalto a gravidade com a invasão de todos os torcedores e colocando em risco os jogadores e todos envolvidos na partida”.

Patricia Saleão defendeu atleta e treinador de goleiros do Paysandu. A defesa destacou a baixa gravidade nos atos e pediu a pena mínima de advertência aos denunciados.

Osvaldo Sestário também pediu a pena mínima ao atleta do Náutico e defendeu o clube das denúncias por lançamento de objetos e invasão.

“A súmula fala do arremesso das latas e gelo e da invasão e como prova temos apenas uma foto na denúncia. Estamos falando de uma invasão de uma torcida que tenta há 3 anos o acesso, consegue um gol aos 49 do segundo tempo e ganha o acesso nos pênaltis. A torcida entrou em campo para comemorar e a defesa pede que não seja levado em conta uma periculosidade que não existiu. Não houve gravidade ou risco. O Náutico sempre toma os cuidados devidos para conter e orientar seus torcedores”, sustentou o advogado.

O Presidente Luiz Felipe Bulus colheu os votos e, por unanimidade dos votos, os Auditores puniram o treinador de goleiros do Paysandu com dois jogos de suspensão por infração ao artigo 258. Já por maioria dos votos, os atletas Diego e Perema receberam uma partida de suspensão, cada, por infração ao artigo 250, enquanto o Náutico  foi multado em R$ 2 mil pelo arremesso de objetos no 213, inciso III e multado em R$ 2 mil pela invasão no 213, inciso II.


As informações de cunho jornalístico produzidas pela Assessoria de Imprensa do STJD não produzem efeito legal.