LEIA MAIS@ 12/08/2022 - 15h23 | Preparador de goleiros punido por prometer vantagem indevida
LEIA MAIS@ 11/08/2022 - 16h01 | Inter x Bota: Processo adiado
LEIA MAIS@ 10/08/2022 - 20h37 | Copa BR: Flamengo punido por arremessos e desordens
LEIA MAIS@ 10/08/2022 - 18h01 | Atlético-MG multado por objetos e gritos discriminatórios na Copa do Brasil
LEIA MAIS@ 10/08/2022 - 16h58 | Técnico do Fortaleza, Vojvoda, é absolvido por expulsão na Série A

Lateral do Santos advertido
27/06/2022 16h09 | STJD

Daniela Lameira / Site STJD
a A

Os auditores da Primeira Comissão Disciplinar do STJD do Futebol puniram o atleta Lucas Pires, do Santos, com a pena mínima por ato desleal na Série A. Julgado nesta segunda, dia 27 de junho, o lateral recebeu uma partida de suspensão e teve a pena convertida em advertência. A decisão foi por maioria dos votos e cabe recurso.

Lucas Pires recebeu o vermelho direto na partida entre Atlético/MG e Santos, válida pela 11ª rodada do Campeonato Brasileiro. O camisa 44 do Santos foi expulso com vermelho direto por, segundo a súmula, impedir uma oportunidade clara de gol ao segurar o adversário fora da área penal. O árbitro ainda informou que aplicou o cartão amarelo, mas modificou após revisão do var.

A Procuradoria denunciou Lucas Pires no artigo 250 por ato desleal ou hostil e sustentou a manutenção da denúncia em sessão.

"Mais uma vez a prova de vídeo vem auxiliar este tribunal. Entendo que é claro que o atleta cometeu infração ao artigo 250, inciso I, e mantenho a denúncia", disse o Subprocurador-geral Michel Sader.

Em defesa do Santos o advogado Marcelo Mendes destacou a baixa gravidade no lance e pediu a absolvição do atleta Lucas Pires.

"Esse caso mostra a beleza do futebol em si e do Direito Desportivo nas diferentes interpretações dos lances. No lance em questão o atleta estava de frente para o gol, mas tinha o goleiro e um segundo atleta chegando. Ele não estava com o chute engatilhado e foi impedido pelo atleta do Santos. Lance muito rápido mas não ocorreu uma chance clara e manifesta de gol. A falta impediu de prosseguir na jogada, mas não foi impedido de fazer o gol pela falta cometida. Por entender que a conduta deveria ser punida com o cartão amarelo e por não se tratar de chance clara de gol, a defesa pede a absolvição do Lucas", finalizou.

Apesar do pedido da defesa, o relator do processo, auditor João Rafael Soares divergiu o entendimento e acompanhou o pedido da Procuradoria.

"Peço vênia para discordar, pois o árbitro teve a oportunidade de rever o lance pelo árbitro de vídeo e concluiu pela aplicação do cartão vermelho. Entendo que se amoldou ao artigo 250, inciso I, com a aplicação de uma partida com a conversão em advertência", explicou o relator.

Os auditores Miguel Cançado, Ramon Rocha e o presidente Alcino Guedes acompanharam o relator na conversão em advertência, enquanto o auditor José Maria Philomeno divergiu para manter a pena de uma partida sem conversão pela gravidade da falta.


As informações de cunho jornalístico produzidas pela Assessoria de Imprensa do STJD não produzem efeito legal.