LEIA MAIS@ 03/12/2021 - 19h20 | Gre-Nal: Patrick e Bruno Cortês punidos
LEIA MAIS@ 03/12/2021 - 17h15 | Deyverson, Fred e Dudu punidos
LEIA MAIS@ 03/12/2021 - 13h45 | Athlético absolvido
LEIA MAIS@ 02/12/2021 - 15h55 | STJD finaliza intervenção no TJD/MT
LEIA MAIS@ 02/12/2021 - 12h34 | FLA x BAH: Comissão pune infrações

Juventude e zagueiro punidos
26/10/2021 13h03 | STJD

Divulgação / Site STJD
a A

O Juventude foi multado em R$ 1 mil e teve o zagueiro Rafael Forster punido com uma partida de suspensão. No mesmo processo o presidente Walter Dal Zotto Jr. e o vice-presidente Luís Carlos Bianchi foram absolvidos. O caso foi julgado nesta terça, dia 26 de outubro, pela Segunda Comissão Disciplinar do STJD do Futebol A decisão em primeiro grau cabe recurso e pode chegar ao Pleno.

O Juventude teve três expulsões na partida contra o Athlético Paranaense, no dia 18 de setembro, pela Série A. Aos 22 minutos do primeiro tempo, Rafael Forster recebeu o segundo cartão amarelo por calçar com as travas da chuteira a perna do adversário, em disputa de bola. A Procuradoria enquadrou o zagueiro nos termos do artigo 254 do CBJD, “jogada violenta”.

A súmula também documenta que a equipe do Juventude se reapresentou para o segundo tempo com um minuto de demora, ocasionando o atraso no reinício da partida. O clube foi incurso no artigo 206 do CBJD, “dar causa ao atraso do início da realização de partida ou deixar de apresentar a sua equipe em campo até a hora marcada para o início ou reinício da partida”.

Por fim, o árbitro relatou que o presidente Walter Dal Zotto Jr. e o vice-presidente Luís Carlos Bianchi questionaram acintosamente as decisões da arbitragem e após o término da partida ficaram aplaudindo a equipe de arbitragem na saída do campo de jogo, de forma sarcástica, dizendo: “aplaudir pode?”. Os dirigentes foram enquadrados no artigo 258 do CBJD, “conduta contrária à disciplina ou à ética desportiva”.

Osvaldo Sestário defendeu atleta, dirigentes e clube.

“Se a gente observar, a gente vê que o jogador do Juventude nem estava olhando para o outro jogador. Ele foi imprudente, mas não teve a intenção de machucar, não houve dolo. Foi uma bola de jogo que o árbitro inicialmente avaliou como cartão amarelo. Sobre os dirigentes, a gente tem que avaliar o futebol como ele é. A gente sabe que essas coisas acontecem e, mesmo que tenha acontecido com o senhor Bianchi, foi porque ele estava sendo marcado pela delegada da partida. Quem acompanha futebol sabe que geralmente o presidente do clube desce antes. Ainda que ele estivesse ali, pra mim não houve desrespeito. Luis Carlos Bianchi chama para ele toda a responsabilidade. Não houve 258”, sustentou a defesa.

Por unanimidade de votos, o Juventude foi multado em R$ 1 mil e Rafael Forster punido com um jogo. O relator Diogo de Azevedo Maia absolveu os dirigentes e foi acompanhado pelos auditores Washington Rodrigues, Iuri Engel e o presidente Felipe Silva, formando maioria. O auditor Carlos Eduardo Pontes foi voto vencido, pois suspendia o presidente em 30 dias e o vice-presidente em 15 dias.


As informações de cunho jornalístico produzidas pela Assessoria de Imprensa do STJD não produzem efeito legal.