LEIA MAIS@ 27/06/2022 - 18h04 | Presidente indefere liminar do Náutico
LEIA MAIS@ 27/06/2022 - 16h09 | Lateral do Santos advertido
LEIA MAIS@ 24/06/2022 - 17h44 | Relator concede parcial efeito a Eric Ramires
LEIA MAIS@ 24/06/2022 - 14h58 | Relator homologa Transação do Cruzeiro em audiência
LEIA MAIS@ 23/06/2022 - 16h53 | Presidente do Alagoinhas tem pena minorada

INT x COR: Procuradoria solicita abertura de inquérito
17/05/2022 07h46 | STJD

Divulgação / Site STJD
a A

A Procuradoria da Justiça Desportiva solicitou na noite desta segunda, dia 16 de maio, abertura de inquérito para apurar a denúncia de injúria racial cometida pelo atleta Rafael Ramos, do Corinthians, contra Edenilson, do Internacional. O pedido foi encaminhado para o presidente do STJD do Futebol, Otávio Noronha.

O inquérito é o instrumento próprio para a apuração da existência de infrações disciplinares ou sua consequente autoria, fato destacado pela Procuradoria no pedido.

“Ante à possibilidade da oitiva de mais depoimentos, bem como a reunião de novos documentos e mídias que corroborem com o depoimento do atleta EDENILSON, em respeito à causa antirracista e à condução isenta dos procedimentos neste STJD, em especial por esta Procuradoria, faz-se necessária a apuração detalhada da prática da referida e repudiável conduta discriminatória”, justificou.

Pela sexta rodada da Série A, no empate em 2 a 2 entre Inter e Corinthians, Edenilson afirmou ter sofrido injúria racial após uma disputa de bola com o lateral-direito Rafael Ramos, do Corinthians.  O volante colorado acusou Ramos de chamá-lo de “macaco”. Edenilson informou o fato ao árbitro, que narrou na súmula, e a partida ficou paralisada por quatro minutos.

Após o fim do jogo, Rafael Ramos foi preso em flagrante no posto policial do Beira Rio. O atleta do Corinthians prestou depoimento, pagou fiança e foi liberado. Edenilson registrou Boletim de Ocorrência ainda no Beira Rio.

Em uma rede social, Edenilson confirmou sua versão, enquanto Ramos negou que tenha dito a palavra “macaco”.

Para apurar a prática ou não de cunho discriminatório previsto no artigo 243-G do CBJD e, sobretudo, pela gravidade da conduta relatada, a Procuradoria entende que os fatos devem ser analisados com maior profundidade para que se prossiga com as medidas adequadas e apropriadas para a situação.

A Procuradoria destacou ainda que repudia qualquer tipo de ato discriminatório, assim como reforça que injúria racial é crime e se une a todos os clubes, Federações e atletas que buscam um futebol mais justo e igualitário.

Com o pedido de instauração de inquérito, a Procuradoria solicita as seguintes diligências:

a - oitiva dos atletas EDENÍLSON ANDRADE DOS SANTOS e RAFAEL ANTÔNIO FIGUEIREDO RAMOS, envolvidos diretamente nos fatos relatados na súmula da partida;

b - oitiva do árbitro e dos auxiliares que atuaram na partida realizada entre as equipes do Internacional (RS) e Corinthians (SP);

c - a juntada da súmula da partida realizada entre as equipes do as equipes do Internacional (RS) e Corinthians (SP), no dia 14/05/2022;

d - a colheita e a exibição das imagens de vídeo, bem como dos áudios disponíveis, inclusive dos microfones de toda a equipe de arbitragem, dos meios de comunicação, da equipe mandante, do estádio, e de todos demais que possam auxiliar este inquérito;

e - sejam oficiadas as autoridades responsáveis pelas investigações criminais em curso, inclusive a a 2ª Delegacia de Polícia Civil de Porto Alegre;

f – sejam determinados atos complementares, se necessário, e a designação de auditor processante, na forma prevista nos artigos 81 e 82 do CBJD.

O pedido de inquérito foi encaminhado para o presidente do STJD do Futebol, Otávio Noronha, que sorteará um auditor do Pleno para processar o inquérito.


As informações de cunho jornalístico produzidas pela Assessoria de Imprensa do STJD não produzem efeito legal.