LEIA MAIS@ 31/01/2023 - 18h44 | Pleno do STJD absolve Ipatinga e libera jogos do Campeonato Mineiro
LEIA MAIS@ 31/01/2023 - 16h30 | Pleno autoriza início do Parazão e determina intervenção no TJD/PA
LEIA MAIS@ 31/01/2023 - 14h51 | Sport x Vasco: Pleno reforma parcialmente penas de infrações na Série B
LEIA MAIS@ 31/01/2023 - 12h54 | Náutico/MS tem pena mantida por escalação irregular
LEIA MAIS@ 25/01/2023 - 11h38 | STJD terá primeira sessão de 2023 na próxima terça, com processos do Pleno

Diretor do Corinthians advertido e clube absolvido
21/11/2022 16h38 | STJD

Daniela Lameira / Site STJD
a A

Nesta segunda, dia 21 de novembro, o Corinthians teve o diretor Roberto de Andrade advertido no Superior Tribunal de Justiça Desportiva do Futebol por reclamação desrespeitosa contra a arbitragem da partida contra o Goiás. Denunciado e responsabilizado pela conduta de seu dirigente, o clube paulista foi absolvido. A decisão é de primeiro grau e cabe recurso ao Pleno.

Pela Série A, o Corinthians foi ao Serrinha enfrentar o Goiás no dia 29 de outubro. Após o fim da partida o diretor Roberto de Andrade se dirigiu de forma desrespeitosa contra a equipe de arbitragem e o caso foi narrado na súmula.

“Informo que no momento que a arbitragem estava saindo do campo de jogo, os diretores da equipe Corinthians, ficaram próximo ao acesso do vestiário da equipe de arbitragem protestando contra as decisões da arbitragem. Informo que foi identificado um diretor o sr. Roberto de Andrade que proferiu as seguintes palavras: "vocês são vagabundos e ladrões. isso é uma vergonha, vão se f****".

A Procuradoria denunciou o diretor por infração ao artigo 258, inciso II, do CBJD e enquadrou o Corinthians no artigo 258-D.

Em sessão de julgamentos o clube paulista juntou prova de vídeo com o pedido de desculpas do dirigente em coletiva após a partida.

Também presente de forma virtual, Roberto de Andrade falou sobre o episódio e reiterou o pedido de desculpas pela sua conduta,

“Como você viram, logo em seguida fui me desculpar por não ser do meu feitio fazer isso. Nunca passei por essa casa em mais de 12 anos no Corinthians. Essa partida foi muito irritante devido o var. Eles brigaram com a imagem”, disse o dirigente

Apesar do pedido de desculpas, o Procurador Caio Barros reiterou o pedido de punição do integrante do Corinthians e destacou.

“Pela posição que ocupa ele deveria passar o exemplo para os jogadores e não foi isso que foi feito”.

O advogado Sérgio Ventura representou o Corinthians e pediu que os auditores levassem em consideração o arrependimento do diretor e a ficha disciplinar.

“A gente percebeu que esse sistema do var tem gerado mais dúvidas que certezas e isso fez com que o denunciado tivesse um descontentamento e falou demais num momento de calor e indignação. Estamos tratando de uma pessoa primária e que nunca foi denunciada. São seis anos como diretor de futebol e jamais esteve neste tribunal. O depoimento pessoal é esclarecedor. Ele pediu desculpas publicamente após o jogo e hoje mais uma vez. O pedido é pela absolvição do dirigente e do clube”, concluiu a defesa.

Com a palavra para voto, o auditor Ramon Rocha levou em consideração a primariedade do dirigente e aplicou a pena mínima.

“O árbitro relata exatamente o que aconteceu. Houve a ofensa e que foi reconhecida pelo denunciado. Entendo que a denúncia está bem enquadrada no artigo 258 e a gravidade da conduta não chega a configurar uma ofensa. Por outro lado, levando em consideração a ficha disciplinar e , sobretudo, sua retratação e arrependimento deve ser levado em consideração. Acolho a denúncia entendendo que houve a infração ao artigo 258 e voto pela aplicação da pena mínima de 15 dias e converto em advertência pelas desculpas. Ao clube não vejo como responsabilidade objetiva pela conduta de seu dirigente e voto pela absolvição do Corinthians”, explicou o relator.

Com o mesmo entendimento, os auditores Miguel Cançado, José Maria Philomeno e o presidente Alcino Guedes acompanharam o voto do relator e a decisão foi proferida por unanimidade.


As informações de cunho jornalístico produzidas pela Assessoria de Imprensa do STJD não produzem efeito legal.