LEIA MAIS@ 20/11/2019 - 16h40 | Pleno mantém pena a Hélio dos Anjos
LEIA MAIS@ 20/11/2019 - 15h33 | Pleno absolve Maurício Galiotte
LEIA MAIS@ 14/11/2019 - 18h00 | Pleno: Sessão no IV Congresso Brasileiro de Direito Desportivo
LEIA MAIS@ 14/11/2019 - 17h09 | Bota x Fla: clássico em pauta
LEIA MAIS@ 14/11/2019 - 16h11 | CRU X CAM: Clubes denunciados no STJD

Comissão pune Cláudio Honigman
05/11/2019 15h54 | STJD

Daniela Lameira / Site STJD
a A

A Segunda Comissão Disciplinar do STJD do Futebol julgou e puniu o ex-presidente do Figueirense, Cláudio Honigman por ter emitido documento falso assinando como presidente e informando que o Figueirense abandonaria a disputa da Série B do Campeonato Brasileiro. Denunciado por infração artigo 234 do CBJD, Honigman foi punido com suspensão de 360 dias e multa de R$ 20 mil. A decisão, proferida por unanimidade dos votos, cabe recurso.

A denúncia teve origem após o Departamento Jurídico da CBF encaminhar para o STJD documentos com a finalidade de instauração de processo disciplinar face a conduta de Cláudio Honigman que remeteu ofício à CBF e a Federação Catarinense de Futebol assinando como presidente do Figueirense afirmando que a agremiação estaria abandonando a disputa do Campeonato Brasileiro da Série B 2019 e requerendo o cancelamento da partida contra o Bragantino , agendada para 24/09, um dia após a comunicação.

A Procuradoria da Justiça Desportiva destaca que Honigman produziu documento de comunicação falsa uma vez que a 2ª Vara Civil de Florianópolis deferiu tutela de urgência que o destituiu e a Efephant Participações do comando do Figueirense a partir das 18h30 do dia 20/09.

Em sessão, a subprocuradora-geral Julia Gelli destacou ainda que Honigman informou no comunicado à CBF que deixaria de usar o email oficial do clube para utilizar apenas o pessoal, reafirmando que tinha conhecimento de que não estava mais no comando do Figueirense.

Advogado de Cláudio Honigman, Osvaldo Sestário juntou diversas provas documentais e sustentou em defesa do denunciado. “Esse processo não tem cunho nenhum disciplinar. O papel da procuradoria não é de apenas denunciar, mas de ser fiscal da lei. Ele era o presidente e moveram uma ação para destituí-lo. Ingressaram numa sexta com uma tutela de urgência e a liminar foi concedida na noite de segunda , porém com data retroativa”, explicou o advogado.

No entendimento do relator do processo, Auditor Felipe Diego Barbosa Silva, a infração está configurada. Nesse sentido, o relator votou para aplicar suspensão de 360 dias e multa de R$ 20 mil a Cláudio Honigman por infração ao artigo 234 do CBJD.

O voto do relator foi acompanhado pelos demais Auditores presentes e o resultado proclamado por unanimidade.


As informações de cunho jornalístico produzidas pela Assessoria de Imprensa do STJD não produzem efeito legal.