LEIA MAIS@ 05/08/2020 - 18h05 | ENAJD realiza 1º Workshop da nova Procuradoria
LEIA MAIS@ 30/07/2020 - 15h46 | STJD: Conheça o novo Procurador-Geral, Ronaldo Botelho Piacente
LEIA MAIS@ 30/07/2020 - 14h30 | Corregedor Regional oficia TJD/PR e FPF
LEIA MAIS@ 29/07/2020 - 14h25 | STJD: Conheça o auditor Mauro Marcelo de Lima e Silva
LEIA MAIS@ 29/07/2020 - 14h07 | Presidente anuncia revista eletrônica do STJD

Comissão multa Botafogo e Flamengo
05/12/2019 17h33 | STJD

Daniela Lameira / Site STJD
a A

A Terceira Comissão Disciplinar do STJD do Futebol puniu Botafogo e Flamengo por ocorrências no clássico, no Nilton Santos. Por atrasar o reinício da partida e desordens no estádio, o Botafogo foi multado no total de R$ 52 mil e absolvido nas denúncias por falta de infraestrutura e rixa. Já o Flamengo foi multado em R$ 10 mil por cadeiras quebradas por torcedores e absolvido na denúncia por rixa. Expulso em campo, o atleta Luiz Fernando foi absolvido. A decisão, proferida por maioria dos votos, cabe recurso.

Em sessão de julgamentos o advogado do Botafogo, Aníbal Rouxinol, juntou prova documental e vídeo da expulsão do atleta.

Convocado como testemunha um integrante do TJD/RJ prestou depoimento e relatou o que passaram os integrantes da Justiça Desportiva presentes no Nilton Santos.

Sobre a denúncia, o Subprocurador-geral Glauber Navega sustentou os pedidos. “Tenho que ratificar os termos da denúncia quanto essa questão da caçada no estádio de torcedores do Botafogo contra os do Flamengo. Por conseguinte, praticaram uma atitude errada de tentar ludibriar comprando ingressos no setor adversário. Evidentemente que a conduta do Procurador caracterizou a falta de segurança e de infraestrutura necessária para a segurança da partida, no camarote e depois na saída para o estacionamento em que circulam diversas pessoas e não é restrito. O artigo 211 está bem caracterizado.  Destaco o vídeo de um torcedor violentado e que teve um dente quebrado, fratura na costela e a esposa confirmou que ele era botafoguense. Os seguranças diminuíram a tentativa de homicídio. Essas infrações ocorreram em todo o estádio. A Procuradoria ratifica a denúncia para punição de ambas as equipes e do atleta expulso”, encerrou.

Michel Assef sustentou em favor do Flamengo. “A denúncia narra eventos relacionados ao flamengo com base somente na mídia. Diz inclusive que teria ocorrido uma suposta invasão de torcedores dentro do estádio citada em uma matéria. Uma outra matéria cita que alguns torcedores do Flamengo foram detidos tentando entrar, mas não diz que entraram. Isso para mim não é infração disciplinar. Não está proibido de entrar na torcida adversária. Qualquer um pode entrar com qualquer roupa. O que temos dentro do estádio é uma perseguição de quem estava a paisana. Não vejo absolutamente nenhum motivo para o Flamengo ser condenado. Não há provas de invasão, não houve confronto entre as torcidas. O Flamengo aqui, até pelo depoimento, não houve nenhuma confusão envolvendo a torcida do Flamengo”, finalizou.

O advogado do Botafogo pediu que a súmula seja considerada imprestável e o clube absolvido na denúncia por atraso e pediu a absolvição do atleta Luiz Fernando que estava em velocidade e se desequilibrou derrubando o adversário Bruno Henrique.

Sobre as desordens, Aníbal Rouxinol defendeu. “Vamos para a última rodada do campeonato e o clube não teve um problema sequer parecido na competição. Pelos últimos jogos entre as equipes o duelo entre as equipes é considerado o jogo com maior periculosidade pela rivalidade existente. Os problemas da sociedade infelizmente não é o Botafogo que vai resolver, ou a CBF. O que o Botafogo faz nos jogos como mandante é tentar zelar com os outros órgãos públicos para que nada aconteça. A segurança é planejada feita com prevenção e repressão. Na área do estádio, mesmo com todo esse trabalho, houveram confusões. O que mais o clube poderia fazer? Questão de educação e fora do estádio. A prevenção existiu sim com as medidas de segurança, plano de ação, seguranças particulares, polícia militar presentes... . Repressão e prevenção realizadas no jogo. O Botafogo pede a absolvição nos artigos 211, 213 e 257”, encerrou.

Logo após, o relator do processo, Auditor Jurandir Ramos anunciou seu voto para absolver o Botafogo no artigo 206; multar o clube em R$ 100 mil no artigo 211 por entender que faltou infraestrutura necessária no jogo; multar em R$ 100 mil e perda de um mando de campo no artigo 213 do CBJD pelas desordens, agressões no estádio e hostilidade contra membros da Justiça Desportiva; multar em R$ 20 mil no artigo 257. Multar o Flamengo em R$10 mil no artigo 213 do CBJD pelas cadeiras quebradas e absolver o clube no artigo 257. Advertir o atleta Luiz Fernando do Botafogo no artigo 258 do CBJD.

O Auditor José Nascimento divergiu do relator para punir o Botafogo com multa de R$ 2 mil no artigo 206; absolver o clube no artigo 211; multar em R$ 50 mil no artigo 213 e absolver no artigo 257; absolver o Flamengo nos artigos 213 e 257 e absolver o atleta Luiz Fernando no artigo 258. O voto divergente foi acompanhado na íntegra pelo Auditor Vanderson Maçulo.

Já a Auditora Alessandra Paiva e o presidente Sérgio Martinez acompanharam a divergência na punição do Botafogo com multa de R$ 2 mil no artigo 206; absolver no artigo 211, multar em R$ 50 mil no artigo 213 e absolver no artigo 257; ao Flamengo na absolvição do artigo 257 e acompanharam o relator na punição do Flamengo no artigo 213 com multa de R$ 10 mil pelas cadeiras quebradas onde estava localizada a torcida visitante. Alessandra votou pela absolvição do atleta Luiz Fernando, enquanto Sergio Martinez pela advertência ao atleta.


As informações de cunho jornalístico produzidas pela Assessoria de Imprensa do STJD não produzem efeito legal.