LEIA MAIS@ 26/10/2021 - 13h03 | Juventude e zagueiro punidos
LEIA MAIS@ 26/10/2021 - 12h00 | Cuiabá: Marllon Borges punido
LEIA MAIS@ 26/10/2021 - 11h26 | Gabriel Girotto advertido
LEIA MAIS@ 25/10/2021 - 17h02 | Luxemburgo tem Transação homologada
LEIA MAIS@ 22/10/2021 - 17h01 | Pleno: Sessão com 13 processos

Comissão Feminina pune assistente do Flu
08/10/2021 12h47 | STJD

Divulgação / Site STJD
a A

A Comissão Disciplinar Feminina do Superior Tribunal de Justiça Desportiva do Futebol aplicou uma partida de suspensão à assistente técnica Lohayne de Souza Campos, do Fluminense, por protestar contra a arbitragem. A decisão, proferida nesta sexta, 8 de outubro, é de primeira instância e cabe recurso.

Fluminense e Ferroviária jogaram no dia 20 de agosto, pelo Brasileiro Sub-18. Na súmula consta que Lohayne bateu palmas ironicamente e ainda disse: “veste a camisa delas agora”, após deu as costas e foi embora”.

A Procuradoria denunciou a assistente por “conduta contrária à disciplina ou à ética desportiva”, de acordo com o artigo 258 do CBJD.

Lohayne de Souza Campos foi defendida pelo advogado Lucas Maleval.

“É comum haver um clima natural de partida de futebol que não necessariamente é calma. É agitado, gritaria, uma forma de agitar o time, isso faz parte. A ida da auxiliar até a árbitra, não me parece algo que tenha passado dos limites. A questão de ir em direção ao árbitro tem diferença entre elogiar ou reclamar. Sobre o mero desabafo, é diferente dizer que é ladrão, me pareceu muito mais chamar de caseiro, típico de cartão amarelo. Essa expulsão já foi pedagógica. O limite do desrespeito não foi ultrapassado”, disse o jurídico.

A relatora Mariana Brito discordou da defesa.

"As palavras que foram proferidas pela auxiliar foram desrespeitosas. Essa atitude foi exacerbada e ela ainda foi em direção à arbitragem e falou ‘veste a camisa delas’, como se o árbitro estivesse vendido. Tem que ter um equilíbrio entre o que é um comentário e o que é desrespeito”, votou.

A auditora Flávia Zanini e a presidente Desirée Emmanuelle acompanharam a relatora. Camila Valério divergiu convertendo a pena mínima de um jogo em advertência.


As informações de cunho jornalístico produzidas pela Assessoria de Imprensa do STJD não produzem efeito legal.