LEIA MAIS@ 23/02/2021 - 20h19 | STJD recebe manifestação do Inter e da CBF
LEIA MAIS@ 22/02/2021 - 19h49 | ENAJD lança Congresso Universitário da Justiça Desportiva do Futebol
LEIA MAIS@ 22/02/2021 - 09h55 | Nota de Falecimento - Roberto Cicivizzo
LEIA MAIS@ 19/02/2021 - 22h46 | Impugnação: Presidente determina juntada de provas e manifestações
LEIA MAIS@ 16/02/2021 - 17h54 | Vasco pede anulação de partida

Avaí pede impugnação da partida contra o CSA
19/01/2021 13h14 | STJD

Divulgação / Site STJD
a A

O Avaí ingressou no Superior Tribunal de Justiça Desportiva do Futebol com pedido de anulação da partida contra o CSA realizada no último fim de semana. No entendimento do clube o erro na comunicação do resultado positivo do atleta Valdívia para a covid-19, bem como erros no protocolo que determina a substituição dos atletas configura erro de direito, item obrigatório para que haja a impugnação de partida. O pedido foi encaminhado na manhã desta terça, dia 19 de janeiro, ao presidente do STJD do Futebol, Otávio Noronha.

No documento, enviado por email na noite desta segunda, dia 18, o Avaí destaca o erro no protocolo da covid-19. Os atletas do Avaí foram testados 72 horas antes do jogo e o clube recebeu os resultados com todos negativados para covid. No intervalo da partida entre CSA e Avaí, o clube recebeu a informação de que Valdívia testou positivo e não poderia retornar para a segunda metade da partida.

De acordo com o Avaí, o resultado do exame foi divulgado antes para o supervisor da partida, Osvaldo Lourenço da Silva Junior, e não ao clube, configurando assim que houve interferência externa, afetando diretamente o resultado do jogo. Além disso, o Avaí alega que , após o jogo ser encerrado, o clube tomou conhecimento de que o laboratório responsável pelos exames dos seus atletas tem como sócio o Sr. José Lumário Vasconcelos Rodrigues, Superintendente de Futebol e membro do Conselho Deliberativo do CSA.

No pedido de anulação o Avaí destaca ainda que o erro na aplicação do protocolo da covid gerou um prejuízo flagrante e incalculável.

“O que ocorreu nessa partida, ao desrespeitar o protocolo, ou seja, ir contrário ao que as normas legais determinam, fica claro que o clube sofreu um dano sem precedentes, mudando diretamente um resultado de jogo, justamente porque as equipes são adversárias diretas na são adversários diretos na briga pela classificação à Série A do Campeonato Brasileiro.

Por isso do pedido de anulação da partida junto a este Tribunal, já que, por entender que houve erro na aplicação do protocolo do COVID19, o Avaí F.C teve um prejuízo flagrante e incalculável.

Ora, a CBF não pode ser notificada sobre os resultados de COVID19 antes dos médicos do Avaí F.C.

Nobres Julgadores, estamos diante de uma manipulação do resultado do exame de COVID19 para prejudicar o Avaí, beneficiando, indiretamente o CSA”, afirmou o Avaí.

Neste sentido, o clube solicita a impugnação da partida contra o CSA e requer:

1 Ante ao exposto, REQUER que seja oficiado a CBF e a Comissão de Arbitragem no sentido de que até julgamento final, deverá o STJD dar imediato conhecimento da instauração deste processo para que não homologue o resultado da partida até a decisão final da impugnação;

2 A intimação da Confederação Brasileira de Futebol para que apresente em 24h (vinte e quatro horas), as explicações necessárias referentes ao porque determinou a substituição do atleta Wanderson Ferreira (Valdívia) pelo Delegado da partida no intervalo, assegurando-se vistas dos autos à Impugnante;

3 Ato contínuo seja o processo distribuído a um dos Auditores do Pleno do STJD, e a sua inclusão em pauta para julgamento o mais rápido possível devido às peculiaridades da questão suscitada;

4 Ao final, que seja dado integral provimento a presente Impugnação de Partida, reconhecendo-se a existência de erro de direito que influenciou no resultado do jogo, determinando-se, por consectário, a anulação da partida entre Avaí x CSA, válida pela 35ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro de 2020, com a determinação à Confederação Brasileira de Futebol para adoção das providências necessárias;

5 O clube requer a utilização de todos os meios de prova em direito admitidos, além de documentos, informações a serem colhidas e apresentadas pelas partes envolvidas e ouvida de testemunhas, principalmente os médicos do Avaí e da CBF.

6 Abertura de prazo para manifestação da Procuradoria da Justiça Desportiva e demais partes interessadas.

O pedido de impugnação de partida e as provas juntadas foram encaminhadas para a análise do presidente do STJD do Futebol, Otávio Noronha.


As informações de cunho jornalístico produzidas pela Assessoria de Imprensa do STJD não produzem efeito legal.