LEIA MAIS@ 22/03/2019 - 18h59 | Relatora concede efeito suspensivo a Bruno Silva
LEIA MAIS@ 22/03/2019 - 17h09 | Infrações do Paraibano julgadas no STJD
LEIA MAIS@ 21/03/2019 - 19h43 | Relator nega efeito suspensivo ao Flamengo/PE
LEIA MAIS@ 20/03/2019 - 21h00 | Comissão pune delegado, árbitros e clubes
LEIA MAIS@ 19/03/2019 - 19h04 | Felipão cumpre conversão e visita instituição

Atlético/MG e volante em pauta
16/01/2018 18h07 | STJD

CBF
a A

Adiado na última sessão de 2017 a pedido da defesa do Atlético/MG, a Quinta Comissão Disciplinar reagendou o julgamento do processo envolvendo o clube e o atleta Gustavo Blanco. O caso será julgado na próxima sexta, dia 19 de janeiro, a partir das 11h. O clube será julgado pelo apagão no Independência na última rodada da Série A e ainda terá o volante Gustavo julgado por jogada violenta em campo.

Entenda o caso:

Em pauta no dia 21 de dezembro de 2017, o jurídico do Atlético juntou pedido de adiamento do processo e justificou que em razão de compromissos profissionais não poderia se ausentar de Belo Horizonte na data da sessão de julgamentos. O clube ressaltou ainda que o advogado que o substitui no Rio de Janeiro estava ausente por problemas de saúde na família. Relator do processo, o Auditor Maurício Neves deferiu o pedido e, sem prejuízo as partes, o processo retornou na primeira sessão de 2018.

Contra o Grêmio o Galo encerrou a temporada com vitória por 4 a 3, com um atleta a menos em campo e com um apagão que gerou a paralisação da partida no segundo tempo.

Na súmula consta que Gustavo foi expulso por atingir com um carrinho a perna de seu adversário na disputa da bola. Ainda foi narrado na súmula a paralisação da partida aos 38 minutos do segundo tempo devido a queda de energia que apagou os refletores. A partida só foi reiniciada 11 minutos depois.

A Procuradoria denunciou Gustavo Blanco por infração ao artigo 254,§ 1º inciso II do CBJD (praticar jogada violenta, ainda que sem intenção de causar dano ao adversário) e o Clube Atlético Mineiro no artigo 211 do CBJD (Deixar de manter o local que tenha indicado para realização do evento com infraestrutura necessária a assegurar plena garantia e segurança para sua realização).

O atleta pode receber suspensão entre uma e seis partidas, enquanto o clube corre risco de receber multa de até R$ 100 mil.


As informações de cunho jornalístico produzidas pela Assessoria de Imprensa do STJD não produzem efeito legal.