LEIA MAIS@ 30/07/2021 - 15h30 | Cuca: Relator defere parcial pedido
LEIA MAIS@ 30/07/2021 - 15h07 | Cruzeiro e CSA multados por descumprimento do protocolo
LEIA MAIS@ 30/07/2021 - 14h44 | Tauane Zóio punida por ato desleal
LEIA MAIS@ 30/07/2021 - 14h11 | Santos: preparador advertido e clube absolvido
LEIA MAIS@ 30/07/2021 - 13h08 | Vice-presidente do Bahia absolvido

Atleta do Bahia punido por jogada violenta
22/07/2021 14h26 | STJD

Divulgação / Site STJD
a A

Os auditores do Pleno do Superior Tribunal de Justiça Desportiva do Futebol majoraram a pena do atleta Vinicius Barcellos, do Bahia, por jogada violenta na Copa do Brasil Sub-20. Punido com dois jogos em primeira instância, o atleta teve a pena majorada para quatro jogos e, em caso do atleta lesionado permanecer afastado, Vinicius permanecerá suspenso até o retorno do adversário aos treinamentos, limitando a pena a 180 dias de suspensão. A decisão foi proferida por unanimidade dos votos.

Pela Copa do Brasil Sub-20, Ceará e Bahia se enfrentaram e o atleta Vinicius Barcellos recebeu o vermelho direto após entrada dura no adversário Guthierres Sales, camisa 11 do Ceará. Com o carrinho, o atleta do Ceará sofreu fratura exposta e deixou a partida direto para o hospital.

Denunciado por praticar jogada violenta descrita no artigo 254 do CBJD, Vinicius foi punido pela Quarta Comissão Disciplinar com dois jogos de suspensão com benefício previsto no artigo 132, §2 do CBJD.  A Procuradoria recorreu da decisão destacando a gravidade do fato e pedindo a majoração.

Subprocurador-geral da Justiça Desportiva, Gustavo Silveira reiterou o pedido de majoração da pena.

“Só chamar a atenção de que é um caso de fratura exposta. Jogada tão violenta e imagine a dor e sofrimento do atleta que saiu de campo direto para o hospital. Que seja enviado ofício ao Ceará para saber do período de afastamento e majorada a pena do atleta do Bahia”, pediu.

Advogado do Bahia, Paulo Rubens Máximo também pediu que seja oficiado o Ceará e destacou que o fato foi um acidente de trabalho.

“Me parece que esse atleta já retornou ao treinamento. Incontroverso que houve a fratura, mas me parece que estamos jogando a consequência. Não conseguimos extrair a intenção do atleta do Bahia nesse caso. Apenar com a pena de suspensão pelo prazo do outro atleta estaria impossibilitado. Me parece exagerada decisão em razão de não se extrair da jogada o necessário dolo, a intenção de lesionar o adversário. A defesa pugna e espera que o tribunal verifique as imagens de que o que houve foi um acidente de trabalho.  O caráter educativo já restou cumprido e a defesa pugna pela manutenção da decisão de primeiro grau e que não haja a aplicação do parágrafo terceiro do artigo 254”, finalizou.

Apesar do pedido da defesa, o relator do processo, auditor Felipe Bevilacqua deu provimento ao recurso da Procuradoria.

“Provimento ao recurso da Procuradoria tendo em vista que houve jogada violenta e que foi grave, para majorar para quatro partidas de suspensão e ainda aplicar o parágrafo terceiro do artigo 254 do CBJD para que que o denunciado fique suspenso até que o atingido retorne as atividades ou efetivamente pelo prazo máximo de 180 dias. A jogada foi gravíssima e a consequência tem que ser analisada. O resultado da jogada agressiva é mais um motivo para que a pena seja majorada”, justificou

Os auditores Sérgio Leal Martinez, Maurício Neves Fonseca, Sérgio Leal Martinez, Ivo Amaral e Paulo Sérgio Feuz acompanharam na íntegra o voto do relator.


As informações de cunho jornalístico produzidas pela Assessoria de Imprensa do STJD não produzem efeito legal.