LEIA MAIS@ 16/11/2018 - 16h16 | Pleno pune 24 denunciados na Operação Cartola
LEIA MAIS@ 13/11/2018 - 13h21 | Mayke e Diogo Barbosa cumprem Transação Disciplinar
LEIA MAIS@ 12/11/2018 - 15h46 | Comissão adverte goleiro do São Paulo
LEIA MAIS@ 12/11/2018 - 14h10 | Palmeiras x Ceará: Deyverson, Mattos e técnicos punidos
LEIA MAIS@ 09/11/2018 - 12h22 | Pleno: Sessão agendada com 16 processos

Wesley suspenso e D'Alessandro absolvido
12/09/2018 19h29 | STJD

Daniela Lameira / Site STJD
a A

O Superior Tribunal de Justiça Desportiva do Futebol reformou parcialmente a decisão do processo envolvendo os atletas Wesley, do América/MG, e D’Alessandro, do Internacional. Enquanto o primeiro foi advertido em primeira instância, o segundo atleta foi absolvido.  Em recurso julgado na noite desta quarta, dia 12 de setembro, no TJD/AM em sessão itinerante, por maioria dos votos, os Auditores mantiveram a absolvição de D’Alessandro e reformaram para aplicar uma partida a Wesley por ato desleal ou hostil. A decisão foi proferida por maioria dos votos.

Diante dos Auditores e defesas, o Procurador-geral Felipe Bevilacqua lembrou a presunção relativa de veracidade prevista na súmula e destacou que a prova de vídeo apresentada pelos clubes não mostrou o lance dos empurrões. “Questão simples e provavelmente foi trazido para análise justamente por não possuir prova que elidisse o que foi narrado. O que a Procuradoria requer é que seja aplicada a penalidade condizente ao que foi dito na súmula, lembrando a ficha disciplinar de cada atleta”, explicou.

Pelo América/MG o advogado Osvaldo Sestário defendeu a manutenção da advertência. “Wesley foi denunciado no 258 e 250 e condenado em advertência no primeiro artigo e absolvido no segundo. Os dois não participaram da jogada. O problema foi que o D’Alessandro foi pegar a bola para bater e o Wesley entrou na frente. No entender da Comissão foi suficiente para a decisão de advertir o jogador. Esse tipo de discussão existe no futebol. Entrevero normal e que não merece aumentar a pena. A defesa destaca ainda o entendimento de ato contínuo”, sustentou.

Rogério Pastl, advogado do Internacional, dissertou para manter a absolvição do jogador colorado. “Para defesa é muito evidente que o D’Alessandro não fez nada e não cometeu a infração descrita na súmula. O Internacional estava perdendo o jogo e o D’Alessandro pegou a bola para continuar a partida. Quando empurrado ele bate com o rosto no árbitro que resolve expulsar os atletas. As palavras ditas ficaram dentro da linguagem particular do jogo. Dizem que o D’Alessando é conhecido por ser um atleta de temperamento, mas ele foi agarrado pelo pescoço e não fez nada. Não há motivo para aplicar penas por um lance que não passou por mera discussão de jogo”, encerrou.

O Auditor Ronaldo Piacente, relator do processo, proferiu seu voto em seguida. “O vídeo na verdade demonstra a questão do atleta Wesley pegando no pescoço. Provendo o recurso da Procuradoria para aplicar uma partida no artigo 250. D’Alessandro fiquei na dúvida por não ver a reação dele em relação ao ato do Wesley. Entre a dúvida da imagem e do relatório mantenho a absolvição”, disse.

Os Auditores Décio Neuhaus, Arlete Mesquita e Mauro Marcelo de Lima e Silva acompanharam o relator na íntegra.

O Presidente Paulo César Salomão Filho divergiu parcialmente. “O atleta estava ganhando, pega a cabeça do adversário e ainda xinga. Pelo conjunto da obra e pela reincidência aplico dois jogos ao atleta do América”, votou.

Os Auditores Antônio Vanderler e Luis Felipe Bulus acompanharam a divergência para aplicar duas partidas a Wesley, do América/MG.


As informações de cunho jornalístico produzidas pela Assessoria de Imprensa do STJD não produzem efeito legal.