LEIA MAIS@ 19/09/2018 - 13h49 | Pleno reforma pena de Zé Carlos
LEIA MAIS@ 19/09/2018 - 13h03 | Corinthians acolhe transação para Clayson
LEIA MAIS@ 19/09/2018 - 12h26 | STJD nega pedido de impugnação do Palmeiras
LEIA MAIS@ 17/09/2018 - 11h42 | Pleno: sessão na próxima quarta
LEIA MAIS@ 14/09/2018 - 16h23 | Presidente defere liminar do Atlético/MG

Técnico do Atlético/MG liberado
05/07/2018 15h36 | STJD

Daniela Lameira / Site STJD
a A

Os Auditores da Segunda Comissão Disciplinar absolveram o técnico Thiago Larghi por expulsão na partida contra o América/MG. Denunciado por conduta contrária à disciplina, o treinador do Atlético/MG se livrou de punição no STJD do Futebol. A decisão, proferida por unanimidade dos votos, cabe recurso.

Conforme relatado na súmula, Thiago Larghi foi expulso no primeiro minuto do segundo tempo por , segundo o árbitro, contestar a decisão da arbitragem em reiniciar a partida chutando uma das bolas que estavam atrás da meta. A conduta do treinador foi inserida no artigo 258 dolo CBJD.

Em sessão, os Auditores e Procuradoria acompanharam as provas de vídeo juntada pela defesa do Atlético/MG com o que motivou a conduta do treinador e entrevista coletiva após a partida em que Thiago pede desculpas pela postura.

Logo após, a Subprocuradora-geral Júlia Gelli lamentou o fato e pediu baixa dos autos para analisar possível infração cometida pelo árbitro da partida.

Com a palavra para sustentação, o advogado Felipe de Macedo pediu a absolvição do treinador do Atlético/MG e justificou. “Estava vendo esse clássico e alguns amigos me perguntaram se podiam reiniciar o jogo com apenas oito atletas do Atlético/MG em campo. Existe um regulamento e o técnico até pediu desculpa por ter chutado a bola. UM time em campo com oito atletas e do outro lado um clube com 11 jogadores em campo. Por tudo que foi exposto, peço a absolvição”, concluiu.

Com as provas e sustentações, o relator do processo, Auditor Francisco Honório, justificou e proferiu seu voto. “A prova de vídeo toma claro a indignação do técnico ao ver o árbitro iniciar o jogo sem o time completo. Absolvo o denunciado”.

O voto do relator foi acompanhado pelos Auditores Sônia Frúgoli, Marcelo Vieira e pelo presidente em exercício, Felipe Diego.


As informações de cunho jornalístico produzidas pela Assessoria de Imprensa do STJD não produzem efeito legal.