LEIA MAIS@ 16/08/2018 - 15h57 | Pleno adia decisão da final do Paulista
LEIA MAIS@ 15/08/2018 - 18h00 | Coritiba x Figueirense: processo retorna à pauta
LEIA MAIS@ 15/08/2018 - 15h56 | Comissão aplica dois jogos a Deyverson
LEIA MAIS@ 14/08/2018 - 19h54 | Aguirre e Moisés denunciados pela Procuradoria
LEIA MAIS@ 14/08/2018 - 12h38 | Santos e Serginho punidos

SP x Santos: zagueiro e clube punidos
12/06/2018 13h13 | STJD

Daniela Pinho / Site STJD
a A

A partida entre São Paulo e Santos esteve em pauta nesta terça, dia 12 de junho, no STJD do Futebol. Expulso em campo o zagueiro Anderson Martins foi julgado por jogada violenta, enquanto o Santos por atrasar a partida. Por maioria dos votos, o defensor do São Paulo teve a conduta desclassificada para ato hostil e recebeu suspensão por um jogo. Já o Santos foi multado em R$ 1 mil. A decisão da Segunda Comissão Disciplinar cabe recurso.

Pela sexta rodada da Série A, o São Paulo recebeu o Santos. Nos minutos finais Anderson Martins recebeu o segundo amarelo após atingir Rodrygo com um carrinho por trás. Na súmula, o árbitro informou o atraso de dois minutos na entrada da equipe do Santos e atraso de um minuto no início do jogo. Os fatos foram denunciados pela Procuradoria.

Diante dos Auditores, o advogado Tiago Amaro sustentou em defesa de Anderson Martins. “O simples uso da palavra temerária na súmula não é o suficiente para punir o atleta. Além disso, o árbitro interpretou por apresentar o segundo amarelo e não o vermelho direto. Atleta primário e a defesa requer a absolvição”, pediu o defensor.

No entendimento do relator do processo, Auditor Francisco Honório não restam dúvidas que as infrações foram consumadas. Por entender que a conduta do atleta Anderson Martins se adequa melhor a ato hostil,o relator votou para desclassificar o artigo 254 para o artigo 250 e aplicar uma partida de suspensão e ao Santos ,por causar o atraso de um minuto,  aplicar a súmula vinculante e multa de R$ 1 mil no artigo 206.

Os Auditores Sônia Frúgoli e Felipe Diego, presidente em exercício, acompanharam o relator na íntegra. Apenas o Auditor Marcelo Vieira divergiu parcialmente para absolver o atleta.


As informações de cunho jornalístico produzidas pela Assessoria de Imprensa do STJD não produzem efeito legal.