LEIA MAIS@ 16/11/2018 - 16h16 | Pleno pune 24 denunciados na Operação Cartola
LEIA MAIS@ 13/11/2018 - 13h21 | Mayke e Diogo Barbosa cumprem Transação Disciplinar
LEIA MAIS@ 12/11/2018 - 15h46 | Comissão adverte goleiro do São Paulo
LEIA MAIS@ 12/11/2018 - 14h10 | Palmeiras x Ceará: Deyverson, Mattos e técnicos punidos
LEIA MAIS@ 09/11/2018 - 12h22 | Pleno: Sessão agendada com 16 processos

Rogério Micale absolvido no STJD
05/07/2018 12h59 | STJD

Daniela Pinho
a A

O técnico Rogério Micale foi julgado nesta quinta, dia 5 de julho, no STJD do Futebol. No comando do Paraná, o treinador foi expulso na partida contra o Cruzeiro por reclamar de forma desrespeitosa contra as decisões da arbitragem. Em sessão da Quarta Comissão, Micale foi absolvido por dois votos, contra um Auditor que aplicava a pena mínima. A decisão cabe recurso.

A expulsão de Rogério Micale ocorreu na última rodada da Série A do Campeonato Brasileiro antes da paralisação do campeonato para a Copa do Mundo. Na súmula consta que o árbitro expulsou o treinador aos 17 do segundo tempo por gesticular e protestar de forma grosseira contra as decisões da arbitragem. O fato rendeu denúncia por infração ao artigo 258 do CBJD.

Em sessão, o Subprocurador-geral Gustavo Silveira afirmou que o técnico foi sim desrespeitoso nas palavras e pediu a aplicação da lei.

Pelo Paraná, o advogado Alessandro Kishino sustentou que não houve infração disciplinar na conduta do treinador. “A reclamação não foi desrespeitosa ou ofensiva. Não há infração, razão pela qual a defesa pede a absolvição de Micale”, finalizou.

O Auditor José Maria Philomeno, relator do processo, afirmou que o treinador pode extravasar e desabafar, mas entende que houve um pouco de excesso. “Aplico uma partida convertendo em advertência”, votou.

Já o Auditor Adilson Simas e o presidente em exercício, Luis Felipe Procópio, divergiram para absolver Rogério Micale por não considerarem infração nas palavras ditas.

Apesar de absolvido, o técnico do Paraná terá que cumprir a suspensão automática.


As informações de cunho jornalístico produzidas pela Assessoria de Imprensa do STJD não produzem efeito legal.