LEIA MAIS@ 16/08/2018 - 15h57 | Pleno adia decisão da final do Paulista
LEIA MAIS@ 15/08/2018 - 18h00 | Coritiba x Figueirense: processo retorna à pauta
LEIA MAIS@ 15/08/2018 - 15h56 | Comissão aplica dois jogos a Deyverson
LEIA MAIS@ 14/08/2018 - 19h54 | Aguirre e Moisés denunciados pela Procuradoria
LEIA MAIS@ 14/08/2018 - 12h38 | Santos e Serginho punidos

Presidente do Fla absolvido de denúncia por desrespeito
19/07/2018 11h49 | STJD

Daniela Lameira / Site STJD
a A

A Quinta Comissão Disciplinar do STJD do Futebol julgou nesta quinta, dia 19 de julho, o presidente Eduardo Bandeira, do Flamengo, por declarações em entrevista após a partida contra o Palmeiras. Denunciado por declarações desrespeitosas contra a arbitragem, o presidente foi absolvido por unanimidade dos votos. A decisão cabe recurso.

A denúncia teve origem após Notícia de Infração da ANAF contra o presidente do Flamengo. No documento a ANAF juntou matéria jornalística alegando que Eduardo Bandeira teria criticado de forma desrespeitosa a arbitragem da partida após o apito final.

“Critérios totalmente diferentes para tudo. O cartão amarelo do Rodinei foi ridículo. O número 19 do Palmeiras (Bruno Henrique) ordenou que ele desse cartão e ele deu. O Felipe Melo era para ter saído de camburão do estádio. Ele  só deu amarelo, e o treinador do Palmeiras imediatamente o substituiu”, disse o presidente, que ainda acrescentou.

“Dourado foi expulso porque levou um soco no pescoço. Não agrediu ninguém. Por que? SE expulsa um do Palmeiras , tem que expulsar um do Flamengo também. O pior foram os acréscimos. Só valeu enquanto o Palmeiras teve a bola. Não dá pra conformar. Infelizmente levamos para casa um pontinho só”, encerrou.

Diante da Comissão Disciplinar, o Subprocurador-geral Leonardo Andreotti justificou a denúncia. “Uma forma de contextualizar as palavras e a denúncia no sentido que se trata de um presidente de uma agremiação de extrema relevância no cenário nacional e que suas palavras ganham um peso maior que os demais. Palavras dessa natureza, ainda que com um teor não tão grave, podem contribuir com o descrédito não só da arbitragem, mas do futebol brasileiro exaltando os torcedores”, explicou Andreotti.

Advogado do Flamengo, Michel Assef discordou e justificou o pedido de absolvição do mandatário. “Importante contextualizar o momento em que supostamente o presidente tivesse dado essa entrevista. Palmeiras e Flamengo jogo quente, entrada criminosa do Felipe Melo no Vinícius Junior e aconteceu todo aquele problema que já foi julgado aqui. Tudo aconteceu por conta do árbitro. São críticas. A denúncia é por desrespeito ao árbitro e não ao Felipe Melo. Uma crítica a atuação dele e não um desrespeito ao árbitro. A ANAF tem que entender que seus árbitros merecem críticas até para que possam melhorar. O árbitro tem que ser criticado. Desrespeito foi a atuação dele para as equipes e torcedores que estavam acompanhando a partida”, finalizou o defensor.

O Auditor Flávio Boson, relator do processo, acompanhou o entendimento da defesa. “Os acontecimentos do jogo, me recordo da confusão maior, e depois fui ver o que decidiram no julgamento dos seis atletas expulsos. Acho que a manifestação não deve ocorrer, mas foi absolutamente comedido no seu comentário e nas ponderações. Jogo atípico e, por isso, sugiro a absolvição com a recomendação que isso não se repita. Talvez o caminho seja o oficial de se buscar a ouvidoria da arbitragem”, justificou.

Vice-presidente da Comissão, o Auditor José Nascimento votou em seguida. “ Inacreditável essa denuncia. Esse jogo teve vários erros de arbitragem. Acho que devemos ter imparcialidade e saber analisar o texto com o contexto. Acompanho na absolvição”.

Os Auditores Maurício Neves e Gustavo Teixeira também acompanharam a crítica do relator do processo e votaram pela absolvição por não verem potencial ofensivo de maneira gravosa nas palavras ditas.

Presidente da Quinta Comissão, o Auditor Rodrigo Raposo acrescentou aso comentários e seguiu a absolvição. “O código (CBJD) autoriza a reclamação quando diz que apenas a desrespeitosa é vedada. Faz parte da democracia e aquele que se sente prejudicado tem o direito de expor sua opinião. Estou absolvendo”, concluiu.


As informações de cunho jornalístico produzidas pela Assessoria de Imprensa do STJD não produzem efeito legal.