LEIA MAIS@ 16/11/2018 - 16h16 | Pleno pune 24 denunciados na Operação Cartola
LEIA MAIS@ 13/11/2018 - 13h21 | Mayke e Diogo Barbosa cumprem Transação Disciplinar
LEIA MAIS@ 12/11/2018 - 15h46 | Comissão adverte goleiro do São Paulo
LEIA MAIS@ 12/11/2018 - 14h10 | Palmeiras x Ceará: Deyverson, Mattos e técnicos punidos
LEIA MAIS@ 09/11/2018 - 12h22 | Pleno: Sessão agendada com 16 processos

Ponte Preta multada e punida com perda de mando
04/07/2018 19h13 | STJD

Daniela Lameira / Site STJD
a A

O Superior Tribunal de Justiça Desportiva do Futebol puniu nesta quarta, dia 4 de julho, a Ponte Preta pela ação de torcedores que arremessaram rojões no gramado do Moisés Lucarelli. Julgado pela Terceira Comissão Disciplinar o clube foi punido com a perda de dois mandos de campo e multa de R$ 10 mil. A decisão cabe recurso e pedido de efeito suspensivo até que o caso seja julgado no Pleno, última instância.

O episódio ocorreu no empate por 1 a 1 com o Oeste, em partida realizada o dia 2 de junho, em Campinas. Na súmula o árbitro Dyorgines Jose Padovani de Andrade informou que o fato ocorreu aos 20 minutos do segundo tempo, que os rojões foram arremessados de fora para dentro do estádio e que explodiram, próximo a alguns jogadores e ao assistente nº2.

Com base nas informações a Procuradoria denunciou a Ponte Preta no artigo 213, inciso III do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD) por deixar de prevenir e reprimir o lançamento de objetos no campo de jogo. O parágrafo 1º do artigo destaca que em casos de elevada gravidade o clube pode ser punido com perda de mando de campo.

A Ponte Preta enviou defesa escrita para o julgamento afirmando que os arremessos foram de fora do estádio e que nem os policiais presentes , nem o sistema de monitoramento por câmeras flagraram o lançamento e que ou o rojão foi lançado de dentro de uma das casas ou de uma distância maior que a do perímetro do estádio.

Por considerar a infração grave, o relator do processo, Auditor Márcio Torres, votou para punir a Ponte com multa de R$ 10 mil e a perda de dois mandos de campo por infração ao artigo 213, inciso III.

O mesmo entendimento e punição foi aplicada pelos Auditores Otacílio Araújo, Vanderson Maçullo e pelo presidente Sérgio Martinez. Apenas o Auditor João Riche divergiu para absolver a Ponte Preta.


As informações de cunho jornalístico produzidas pela Assessoria de Imprensa do STJD não produzem efeito legal.