LEIA MAIS@ 15/05/2019 - 18h34 | Juventude é multado por injúria racial
LEIA MAIS@ 15/05/2019 - 16h12 | Comissão suspende julgamento de Itair
LEIA MAIS@ 14/05/2019 - 17h36 | Grêmio é denunciado por injúria racial
LEIA MAIS@ 10/05/2019 - 19h22 | Presidente suspende Itair Machado
LEIA MAIS@ 10/05/2019 - 18h46 | Juve x Bota: Jogadas violentas e injúria racial

Pleno acolhe impugnação da Ponte Preta
23/02/2019 11h43 | STJD

Daniela Pinho
a A

O Superior Tribunal de Justiça Desportiva do Futebol (STJD) julgou na tarde desta sexta, dia 22 de fevereiro, a impugnação solicitada pela Ponte Preta por suposta interferência externa na partida contra a Aparecidense, pela Copa do Brasil. Por maioria dos votos, os Auditores acolheram o pedido da Ponte e uma nova partida deverá ser agendada entre as equipes. O processo foi julgado em sessão itinerante realizada dentro do Workshop em Fortaleza, na sede da OAB/CE.

O julgamento durou pouco mais de quatro horas. Inicialmente os Auditores assistiram as provas de vídeo juntadas pela Ponte Preta com o intuito de mostrar o momento da possível interferência externa. Os Auditores negaram o pedido do delegado da partida Adalberto Grecco para ser terceiro interessado no processo. Logo após o árbitro Léo Simão Holanda , os assistentes  Samuel Oliveira Costa e Eleuterio Felipe Marques Júnior prestaram depoimentos e responderam todas as perguntas dos Auditores e Procuradoria.

Funcionou na defesa da Ponte Preta o advogado João Felipe Artioli, pela Aparecidense o advogado Alessandro Kishino; enquanto a advogada Ester Freitas defendeu os árbitros  e Osvaldo Sestário representou o Delegado da partida.

Após as sustentações, o relator do processo Auditor Ronaldo Botelho Piacente proferiu seu voto para manter a partida e não acolher o pedido de impugnação da Ponte Preta. O voto de Piacente foi acompanhado pelos Auditores João Bosco Luz, José Perdiz e Arlete Mesquita . Em seguida, o Auditor Antônio Vanderler abriu a divergência para acolher o pedido de impugnação por entender que houve interferência externa na partida. O voto divergente foi acompanhado pelos Auditores Flávio Boson, Sormane Freitas e pelo Presidente Paulo César Salomão Filho. Com o empate de quatro votos contra e quatro a favor, o Presidente desempatou na forma do artigo 131 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD).

Na decisão os Auditores fizeram constar a determinação para que a CBF tome as providências cabíveis para realização de nova partida a ser realizada entre as equipes da Ponte Preta e Aparecidense.


As informações de cunho jornalístico produzidas pela Assessoria de Imprensa do STJD não produzem efeito legal.