LEIA MAIS@ 30/07/2021 - 15h30 | Cuca: Relator defere parcial pedido
LEIA MAIS@ 30/07/2021 - 15h07 | Cruzeiro e CSA multados por descumprimento do protocolo
LEIA MAIS@ 30/07/2021 - 14h44 | Tauane Zóio punida por ato desleal
LEIA MAIS@ 30/07/2021 - 14h11 | Santos: preparador advertido e clube absolvido
LEIA MAIS@ 30/07/2021 - 13h08 | Vice-presidente do Bahia absolvido

Pleno absolve diretor do CRB
22/07/2021 12h42 | STJD

Divulgação / Site STJD
a A

O Pleno do Superior Tribunal de Justiça Desportiva do Futebol reformou a decisão que punia o diretor do CRB, Thiago Paes Cerqueira de França por reclamação desrespeitosa. Em julgamento virtual realizado nesta quinta, dia 22 de julho, o dirigente teve o recurso provido e foi absolvido em última instância. A decisão foi proferida por maioria dos votos.

Thiago foi denunciado por infração na partida contra , pela Série B do Campeonato Brasileiro. Na súmula o árbitro narrou ter sido informado pelo delegado da partida sobre as palavras gritadas pelo dirigente, que estava na arquibancada. A Procuradoria denunciou o Diretor do CRB por infração ao artigo 258, inciso II do CBJD.

Em primeira instância a Comissão Disciplinar puniu Thiago Paes com 15 dias de suspensão por desrespeito contra a arbitragem. O clube recorreu ao Pleno pedindo a reforma da decisão.

Subprocurador geral da Justiça Desportiva, Gustavo Silveira justificou a manutenção da pena.

“O delegado informou ao árbitro e ele relatou e isso não elide a presunção de veracidade da súmula. Temos o depoimento em primeiro grau negando os fatos, mas a defesa não conseguiu elidir o que foi narrado. O depoimento não faz prova para absolvê-lo. São necessárias outras provas que mostrassem que não estava no local. A Procuradoria opina pela manutenção da decisão”, explicou.

Relator do processo no Pleno, o auditor Sérgio Leal Martinez justificou seu voto.

“Louvo o empenho do Dr Gustavo na Procuradoria, mas meu voto é no sentido de que não há provas de que tenha sido o denunciado o autor das ofensas. Pelo provimento do recurso para absolver o dirigente”, anunciou o relator.

Os auditores Mauro Marcelo de Lima e Silva, Mauricio Neves Fonseca, Ivo Amaral e Paulo Sérgio Feuz acompanharam o relator na absolvição.

Presidente em exercício, o auditor Felipe Bevilacqua divergiu para manter a decisão de primeiro grau afirmando não haver prova contrária.


As informações de cunho jornalístico produzidas pela Assessoria de Imprensa do STJD não produzem efeito legal.