LEIA MAIS@ 23/10/2020 - 13h01 | Rafael Bastos suspenso e multado
LEIA MAIS@ 22/10/2020 - 12h32 | Atleta do Audax punida por agressão
LEIA MAIS@ 21/10/2020 - 14h56 | Presidente não recebe impugnação do Grêmio
LEIA MAIS@ 21/10/2020 - 11h20 | Terceira Comissão: sessão cancelada
LEIA MAIS@ 20/10/2020 - 20h33 | Presidente indefere pedido do São Paulo

PAL x SPO: Zé Rafael absolvido e Sander punido
09/10/2020 12h25 | STJD

Daniela Lameira / Site STJD
a A

A Quinta Comissão Disciplinar do STJD do Futebol julgou nesta sexta, dia 9 de outubro, os atletas Zé Rafael, do Palmeiras, e Sander, do Sport, pelas expulsões na 10ª rodada da Série A do Campeonato Brasileiro. Por unanimidade dos votos, o atleta do Palmeiras foi absolvido e o lateral do Sport suspenso por uma partida. A decisão cabe recurso.

Na súmula da partida entre as equipes o árbitro aplicou o vermelho direto a Sander no fim do primeiro tempo por atingir a coxa do adversário com a sola da chuteira. Já Zé Rafael recebeu o segundo cartão amarelo no segundo tempo por golpear atingindo com o braço o peito do adversário.

A Procuradoria enquadrou ambos os atletas por praticarem jogada violenta na partida.

Em sessão de julgamento virtual, o Procurador Marcus Campos retirou os termos da denúncia.

Defensor do Palmeiras, Andrés Perez pediu a desclassificação na conduta do atacante. “Lance corriqueiro, normal. O atleta simplesmente abre o braço na disputa de bola e atinge o peito do adversário. O árbitro entendeu como lance de menor gravidade e aplicou o cartão amarelo. O atleta acabou expulso por já ter sido advertido anteriormente. A defesa pede a desclassificação para o artigo 258, dada a ausência de gravidade, e reforça que o atleta deixou o campo normalmente sem qualquer transtorno no decorrer da partida”, sustentou.

Pelo Sport, a advogada Bárbara Petrucci pediu a aplicação da pena mínima ao atleta Sander. “Futebol é um esporte de contato e é inevitável numa disputa não ter contato com o atleta adversário. A prova de vídeo mostra que a bola estava no alto. Estava tentando alcançar a bola para dar seguimento ao jogo. O atleta foi expulso no final do primeiro tempo e ficou de fora do segundo tempo todo e na automática. Considerando inclusive que não houve atendimento médico, que seja considerado isso na aplicação da pena”, concluiu.

O relator do processo, auditor Eduardo Mello acompanhou parte do entendimento das defesas. “Vou absolver o atleta do Palmeiras por entender que talvez não fosse nem cartão amarelo. É muito mais pela simulação do atleta do Sport que o juiz teve a decisão de aplicar o cartão. Já ao atleta do Sport, a prova de vídeo não deixa claro se teve a sola da chuteira. Houve um encontro de maneira forte. A bola estava mais próxima do atleta do Palmeiras e o denunciado levantou a perna e atingiu o adversário. Levando em consideração que foi na disputa da bola e que não houve atendimento médico, aplico uma partida de suspensão”, justiçou.

Os auditores Vanderson Maçullo, Alessandra Paiva, João Gabriel Maffei e o presidente Otacílio Araújo Neto acompanharam o relator na íntegra.


As informações de cunho jornalístico produzidas pela Assessoria de Imprensa do STJD não produzem efeito legal.