LEIA MAIS@ 22/09/2017 - 12h49 | Atletiba: processo julgado nesta sexta
LEIA MAIS@ 22/09/2017 - 12h04 | Comissão absolve Fla e Bota
LEIA MAIS@ 21/09/2017 - 16h11 | Atacante do Flu no STJD por jogada violenta
LEIA MAIS@ 21/09/2017 - 15h47 | Palmeiras, Willian e Luan denunciados
LEIA MAIS@ 19/09/2017 - 17h35 | Atletiba em pauta no STJD

Milton Mendes suspenso por duas partidas
13/07/2017 18h24 | STJD

Daniela Lameira / Site STJD
a A

O Pleno do STJD do Futebol reformou a decisão de primeira instância que absolvia o técnico Milton Mendes e puniu o treinador do Vasco por descumprir a automática diante do Corinthians. Em julgamento realizado na tarde desta quinta, dia 13 de julho, por maioria dos votos Milton foi punido com dois jogos e suspensão e o Vasco teve a absolvição mantida por denuncia no artigo 213. A decisão foi proferida por maioria dos votos.

Expulso contra o Grêmio, Milton Mendes deveria cumprir a suspensão automática diante do Corinthians e não poderia comandar o time. Apesar disso, câmeras flagraram o técnico dando instruções para integrantes de sua comissão técnica. Após o fim do jogo uma confusão na arquibancada foi narrada na súmula. O técnico foi enquadrado nos artigos 191 e 258 e o Vasco no artigo 213, inciso I, mas ambos foram absolvidos em sessão da Quarta Comissão Disciplinar.

Descontente com a decisão, a Procuradoria recorreu da decisão e pedindo a punição dos denunciados no Pleno, última instância nacional.

“Ao técnico a irregularidade foi flagrante. Existe prova mais do que suficiente da irregularidade e houve inclusive uma confissão de um atleta, mas é inquestionável, induvidoso e muito claro todo o procedimento informado pelo técnico para chegar ao banco de reservas, bem como que esteve no vestiário para orientar os jogadores... Existe relato na súmula que houve intercorrências. É extremamente contraditório. As provas de vídeo e as súmulas não foram elididas. Houve sim uma desordem e merecem ser punidas”, destacou Felipe Bevilacqua, Procurador-geral.

Em defesa do Vasco, o advogado Paulo Rubens  sustentou a manutenção das absolvições. “O Clube Regatas Vasco da Gama não concorda com a fala da Procuradoria. Iniciando pelo técnico, a prova a qual a Procuradoria se refere não socorre a Procuradoria. Não estamos falando das imagens do jogo mostradas de forma continuadas supostamente proferidas pelo técnico Milton Mendes. A televisão criou toda uma cadeia de imagens no sentido de mostrar que o treinador teria transmitido informações para sua equipe. Matéria jornalística criada para tentar afastar o técnico. O atleta é abordado após a partida, ainda no campo de jogo e em nenhum momento disse que recebeu instruções de Milton Mendes. Logo em seguida ele se refere ao auxiliar técnico”, disse o advogado que, em seguida, sustentou pelo clube.

"O que estamos vendo é que o jogo transcorre normalmente. Tiraram as pessoas lá de dentro. Não houve qualquer tipo de agressão de qualquer um dos seguranças do Vasco. Não há prova dessas supostas agressões. Então a defesa deseja que seja mantida integralmente a decisão de primeiro grau”, concluiu.

Após assistirem as provas de vídeos, o relator do processo, Auditor Otávio Noronha proferiu seu voto. “Estou certo e convencido de que as imagens produzidas pela Procuradoria de fato mostra que o técnico não cumpriu a suspensão de forma adequada e transmitiu recados na beira do campo. Ao técnico Milton Mendes aplico a pena de duas partidas no artigo 258. Quanto ao clube, a segurança agiu de imediato e conteve a confusão. Mantenho a absolvição do Vasco”.

O mesmo entendimento foi acompanhado pelos Auditores Décio Neuhaus, João Bosco, Arlete Mesquita, Otávio Noronha e Mauro Marcelo de Lima e Silva. Apenas o Presidente em exercício Paulo César Salomão divergiu para negar provimento ao recurso e manter a decisão da Comissão Disciplinar.


As informações de cunho jornalístico produzidas pela Assessoria de Imprensa do STJD não produzem efeito legal.