LEIA MAIS@ 16/08/2018 - 15h57 | Pleno adia decisão da final do Paulista
LEIA MAIS@ 15/08/2018 - 18h00 | Coritiba x Figueirense: processo retorna à pauta
LEIA MAIS@ 15/08/2018 - 15h56 | Comissão aplica dois jogos a Deyverson
LEIA MAIS@ 14/08/2018 - 19h54 | Aguirre e Moisés denunciados pela Procuradoria
LEIA MAIS@ 14/08/2018 - 12h38 | Santos e Serginho punidos

Lateral do Flu suspenso por um jogo
14/05/2018 11h43 | STJD

Daniela Lameira / Site STJD
a A

O Fluminense defendeu o lateral Gilberto no STJD do Futebol. Expulso na segunda rodada diante do Cruzeiro, o jogador foi julgado nesta segunda, dia 14 de maio, por jogada violenta ao atingir o adversário Sassá. Por maioria dos votos da Primeira Comissão Disciplinar, Gilberto recebeu a pena de uma partida de suspensão. A decisão cabe recurso.

A expulsão ocorreu na segunda rodada da Série A do Campeonato Brasileiro.  Aos 14 minutos da partida o lateral do Fluminense, com o pé alto, atingiu a cabeça do adversário e recebeu o vermelho direto. Na súmula o árbitro informou que Sassá necessitou de atendimento médico, mas retornou para a partida.

Pela jogada Gilberto foi denunciado por praticar jogada violenta  prevista no artigo 254 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva.

Presente no julgamento, Gilberto teve o depoimento pessoal dispensado após a exibição da prova de vídeo do lance.

Subprocurador-geral da Justiça Desportiva, Luciano Hostins  pediu a manutenção da denúncia. “A atitude do atleta não foi a mais adequada. Risco desnecessário e excesso de força na jogada. Falta de técnica adequada na jogada e, por isso, a Procuradoria requer que a denúncia seja acolhida”, justificou.

Em defesa do atleta do Fluminense, o advogado Carlos Portinho sustentou o pedido de absolvição. ”Lance feio e pedimos que viesse para entender a dinâmica do tribunal. A boa relação que sempre teve com o adversário Sassá. Ambos foram da base do Botafogo e sempre tiveram bom relacionamento. Foi na disputa de bola e ela está denunciado por jogada violenta. Atleta primário, ficou de fora toda essa partida e cumpriu suspensão automática. Não houve nenhuma gravidade e não causou nenhum dano ao adversário. Se não foi uma jogada violenta foi uma jogada desleal. Em razão da pouca gravidade venho pedir a absolvição”, encerrou.

Relator do processo, o Auditor Douglas Blaichman justificou seu voto.” Tenho até minha dúvida se o atleta deveria ser expulso. Acho que o amarelo caberia. Mantenho o enquadramento no artigo 254 e voto pela pena de advertência”.

O Auditor Gustavo Pinheiro divergiu parcialmente. “Pé alto e não sinto a vontade de aplicar a pena de advertência. Aplico uma partida no 254”. O voto divergente foi acompanhado pela Auditora Michele Ramalho.

Também divergindo, o Auditor Alexandre Magno desclassificou a conduta. “Entendo que foi ato hostil. Desclassifico para o artigo 250 e aplico uma partida”.

Presidente da Comissão, o Auditor Lucas Rocha foi o último a votar. “Acompanho o relator no artigo 254, mas penso que foi um pouco acima do mínimo. Pé alto através de uma voadora. Lance que merecia a expulsão devido a imprudência. Aplico duas partidas de suspensão”, finalizou.


As informações de cunho jornalístico produzidas pela Assessoria de Imprensa do STJD não produzem efeito legal.