LEIA MAIS@ 22/01/2021 - 13h28 | Atletas da Série D punidos
LEIA MAIS@ 20/01/2021 - 12h19 | Auditor agenda oitivas para apurar injúria na Série A
LEIA MAIS@ 19/01/2021 - 18h36 | STJD destina transações para ajuda a Manaus
LEIA MAIS@ 19/01/2021 - 13h14 | Avaí pede impugnação da partida contra o CSA
LEIA MAIS@ 19/01/2021 - 10h18 | Relator concede efeito suspensivo a Lisca

Gustavo Gómez suspenso por dois jogos
01/12/2020 11h24 | STJD

Daniela Lameira / Site STJD
a A

A Segunda Comissão Disciplinar do STJD do Futebol puniu o atleta Gustavo Gómez, do Palmeiras, por desrespeito contra a arbitragem na partida contra o Fortaleza. Denunciado por quatro vezes no artigo 258, inciso II, o zagueiro foi punido uma vez no artigo, considerando os auditores entenderam que a infração foi continuada. No mesmo processo o Fortaleza foi multado em R$ 5mil por atrasar o reinício da partida. A decisão cabe recurso e pode chegar ao Pleno, última instância nacional.

Na súmula da partida, realizada em 18 de outubro, o árbitro informou o atraso de cinco minutos no reinício da partida devido o atraso no retorno do Fortaleza. O árbitro narrou ainda que expulsou Gustavo Gómez por reclamação e xingar o assistente número 1. Após ter recebido o vermelho o jogador do Palmeiras teria corrido para confrontar o assistente sendo contido por seus companheiros. Já fora de campo, o jogador ainda teria xingado o árbitro principal.

Denunciado por quatro infrações ao artigo 258, inciso II do CBJD, Gustavo Gómez prestou depoimento em sessão virtual.

“O lance foi perto do bandeira e reclamei de uma falta no meu companheiro Viña. Pouco tempo no Brasil e meu português não é perfeito. O jogo já estava acabando reclamei dessa jogada ao bandeira e recebi o cartão amarelo e ainda fiquei mais nervoso. Estávamos reclamando uma falta, tomei o cartão amarelo e ainda segui reclamando e fui expulso. Eu estava sempre com o braço para trás. Como falei sou capitão da seleção do Paraguai também e respeito muito o trabalho do árbitro. Quando acabou o jogo fui ao bandeira saber o motivo de ter sido expulso. Não falei as palavras que falaram. Eu fui capitão nesse jogo e também para ajudar o Viña que ainda não se comunica em Português”, explicou o zagueiro.

Advogado do Palmeiras, Alexandre Miranda defendeu em seguida o atleta. “No lance aconteceu uma falta com o Viña e depois ficou provado que o bandeira errou. O Gustavo Gómez na condição de capitão reclama com o bandeira e não o ofende e toma o cartão amarelo. Há o relato do árbitro que o Gustavo teria mandado ele tomar no c*. se realmente fosse isso não teria tomado somente o amarelo. De fato, houve a reclamação e depois tomou o vermelho e na saída de campo xinga de uma forma aleatória, geral, desabafo. A conduta não é considerada grave e a Procuradoria denuncia no desrespeito e não em ofensa. Claro e cristalino que se trata de uma única conduta. A todo momento ele se dirige ao bandeira e ao árbitro com as mãos para trás e em nenhum momento foi para cima do árbitro e bandeira”, defendeu.

A advogada Patrícia Saleão representou o Fortaleza e defendeu o clube da infração ao artigo 206 do CBJD.

Após as sustentações, o relator do processo, auditor Carlos Eduardo Cardoso proferiu seu voto. “Ao Fortaleza aplico multa de R$ 5 mil por atraso no artigo 206. Entendo que o atleta Gustavo Gómez exagerou um pouco e essa continuidade dessa ação não me permite aplicar a pena mínima. Portanto, estou aplicando a pena de duas partidas no artigo 258, porém na forma do artigo 183 em forma de ação continuada”, justificou.

O auditor Diogo Maia divergiu parcialmente. “Acompanho na multa de R$ 5 mil ao Fortaleza pelo atraso. Entendo eu que tudo foi no mesmo contexto fático, mas divirjo quanto a pena ao Gustavo Gómez. Entendo que estava reclamando no momento da expulsão e as ofensas foram proferidas após. Aplico a pena mínima de um jogo e convertendo em advertência pelo fato de ser primário”, explicou.

Os auditores Iuri Engel Francescutti, Marcelo Vieira e o presidente Felipe Diego Barbosa votaram na íntegra com o relator na aplicação de duas partidas ao atleta do Palmeiras.


As informações de cunho jornalístico produzidas pela Assessoria de Imprensa do STJD não produzem efeito legal.