LEIA MAIS@ 16/11/2018 - 16h16 | Pleno pune 24 denunciados na Operação Cartola
LEIA MAIS@ 13/11/2018 - 13h21 | Mayke e Diogo Barbosa cumprem Transação Disciplinar
LEIA MAIS@ 12/11/2018 - 15h46 | Comissão adverte goleiro do São Paulo
LEIA MAIS@ 12/11/2018 - 14h10 | Palmeiras x Ceará: Deyverson, Mattos e técnicos punidos
LEIA MAIS@ 09/11/2018 - 12h22 | Pleno: Sessão agendada com 16 processos

Goiás advertido por ação da torcida
08/11/2018 17h55 | STJD

Daniela Lameira / Site STJD
a A

Os Auditores da Quinta Comissão Disciplinar do STJD do Futebol advertiram o Goiás pela ação de torcedores na partida contra o Londrina. Denunciado por praticarem ato discriminatório, o clube goiano teve a conduta desclassificada para descumprir o regulamento e recebeu a pena mínima prevista no artigo. No mesmo processo, o auxiliar técnico do Londrina, Roberto Fonseca foi suspenso por uma partida por conduta contrária à disciplina. A decisão cabe recurso.

Pela Série B, na partida entre Goiás e Londrina, o árbitro informou na súmula a conduta da torcida mandante aos 35 minutos do primeiro tempo que gritou “Goleiro, viado. Goleiro, viado”. O fato ocorreu após o goleiro Vagner, do Londrina, ter sido advertido com o cartão amarelo por retardar a reposição da bola.  O árbitro informou ainda que os gritos foram entoados por três minutos.

O árbitro narrou também que expulsou o auxiliar do Londrina no segundo tempo após o mesmo ter se dirigido a um atleta do Goiás dizendo: “vai pegar a bola, c*. Pare de reclamar”.

Os fatos renderam denúncia ao Goiás no artigo 243-G do CBJD e ao artigo 243-F ao auxiliar do Londrina.

Em sessão de julgamentos o Procurador Marcus Campos comentou o episódio na torcida. “Esse tipo de xingamento está se repetindo muito. Não gostaria que esse tipo de atitude se tornasse normal. Temos que tomar cuidado. Não podemos achar que é normal. O mundo mudou. A Procuradoria requer a condenação nos termos na denúncia”, pediu o representante da Procuradoria.

João Vicente, defensor do Goiás, contextualizou o episódio e comentou a ação do clube.

“Longe de mim querer minimizar a reação da torcida do Goiás, mas é interessante analisar o que foi narrado na súmula. O árbitro aplicou um cartão amarelo por retardar o reinício do jogo de maneiras reiteradas. O Londrina foi para Goiânia com o objetivo de conseguir um empate. Reiteradas vezes o goleiro caiu para atendimento, demorou a cobrar tiro de metas e isso irritou. Dessa ação do goleiro de antijogo, no momento do amarelo a torcida vaiou e ele fez sinal mandando vaiarem mais alto, foi quando a torcida gritou o que foi narrado”, disse o advogado que acrescentou.

“Antes do término da partida o Goiás utilizando do sistema de som solicitou que os torcedores parassem com aquele ato e foi o que aconteceu. O segundo tempo transcorreu normalmente. Peço a absolvição do clube”, finalizou.

O relator José Nascimento comentou a ação do clube goiano e justificou seu voto. “Acho importantíssimo que o Goiás colocou no telão e a torcida parou. Desclassifico para o artigo 191 e substituo a pena de multa pela advertência pelo comportamento da torcida após atitude do clube. Ao auxiliar do Londrina , desclassifico para o artigo 258 e aplico uma partida”, explicou.

O voto do relator foi acompanhado integralmente pelo Auditor Sormane de Freitas e pelo Presidente Rodrigo Raposo.


As informações de cunho jornalístico produzidas pela Assessoria de Imprensa do STJD não produzem efeito legal.