LEIA MAIS@ 17/11/2017 - 20h06 | Palmeiras: proibidas organizadas caracterizadas
LEIA MAIS@ 17/11/2017 - 14h20 | Santa Cruz: clube multado e integrantes suspensos
LEIA MAIS@ 16/11/2017 - 13h01 | Corinthians x Palmeiras: clubes e atletas punidos
LEIA MAIS@ 14/11/2017 - 13h02 | Jair Ventura advertido por invasão
LEIA MAIS@ 14/11/2017 - 12h43 | Goleiro do Oeste punido por injúria racial

Flamengo denunciado por desordens
13/09/2017 18h00 | STJD

CBF
a A

As ocorrências na primeira partida da final da Copa do Brasil pode gerar punição ao Flamengo. Denunciado por não prevenir e reprimir desordens em três momentos distintos no Maracanã, o clube será julgado na próxima segunda, dia 18 de setembro, a partir das 13h, pela Primeira Comissão Disciplinar do STJD do Futebol. 

De acordo com a denúncia, o clube responderá pela confusão ocorrida na entrada do estádio. Através de vídeos, a Procuradoria destacou o momento em que algumas grades de separação são derrubadas por torcedores do Clube de Regatas do Flamengo, que passam por cima das mesmas, invadindo o estádio. 

Já dentro do Maracanã, imagens dão conta de torcedores do time mandante quebrando a grade de proteção entre os setores Sul e Leste e invadiram outros setores. Na denúncia a Procuradoria destaca que somente após cerca de 50 torcedores terem invadido outro setor, foi que a equipe de segurança chegou para evitar mais invasões. 

No relatório da arbitragem consta ainda o uso de sinalizadores na arquibancada onde estava localizada a torcida do Flamengo e a necessidade de paralisação do jogo aos 33 minutos do segundo tempo. 

Pelos fatos o Flamengo foi enquadrado por tripla infração ao artigo 213, inciso I do CBJD por deixar de prevenir e reprimir desordens. A pena prevista é de multa que pode variar entre R$ 100 e R$ 100 mil, por infração. A Procuradoria pede ainda a aplicação do parágrafo 1º do artigo pela segunda infração e pela invasão de setores o clube mandante pode ser punido ainda com perda de até 10 mandos de campo.


As informações de cunho jornalístico produzidas pela Assessoria de Imprensa do STJD não produzem efeito legal.