LEIA MAIS@ 07/12/2018 - 12h56 | Vasco, presidente e técnico punidos
LEIA MAIS@ 07/12/2018 - 10h06 | Pleno multa e bane Amadeu Rodrigues
LEIA MAIS@ 06/12/2018 - 12h37 | Palmeiras x Ceará: penas de Mattos e Lisca majoradas
LEIA MAIS@ 04/12/2018 - 21h18 | Pleno do STJD debate em Workshop do novo CBJD
LEIA MAIS@ 04/12/2018 - 14h05 | Processo de Amadeu Rodrigues é reagendado

Cruzeiro x Palmeiras: Infrações denunciadas
05/10/2018 17h08 | STJD

CBF
a A

A Procuradoria liberou a denúncia da semifinal da Copa do Brasil envolvendo as equipes do Cruzeiro e Palmeiras. Na próxima quinta, dia 11 de outubro, a parir das 14h, o processo será analisado pelos Auditores da Quinta Comissão Disciplinar. Denunciados, Sassá e Diogo Barbosa, do clube mineiro, e Mayke, do Palmeiras responderão por praticarem agressão física. Já as equipes serão julgadas por atraso na partida.

Imediatamente após o apito final do árbitro Wagner do Nascimento, um pequeno tumulto se iniciou com provocações verbais se estendendo a agressões entre atletas. Com o auxílio das imagens veiculadas na transmissão da partida e, principalmente, pelo árbitro de vídeo (VAR) atante no jogo, a Procuradoria conseguiu identificar e denunciar os infratores.

Na súmula, o árbitro fez constar que expulsou o atleta Sassá de forma direta por desferir um soco contra o rosto do adversário Mayke. Além disso, vídeos mostram a discussão entre atletas e o jogador do Cruzeiro correndo na direção do atleta Mayke e atingindo-o com um soco cheio no rosto. A Procuradoria destacou na denúncia que o atleta atingido estava de costas e sequer percebeu a aproximação do agressor.

Para a Procuradoria o fato trata de infração seríssima e de extrema gravidade na medida que agrediu o colega de profissão e contribuiu para hostilidade nas arquibancadas.

Mayke também foi expulso com vermelho direto pela arbitragem por desferir socos contra seus adversários Sassá e Léo. A Procuradoria ressaltou que o camisa 12 do Palmeiras sequer estava em campo e deixou o banco de reservas após o fim da partida para interpelar o árbitro e outros atletas do Cruzeiro de forma ostensiva. Mayke também foi denunciado por agressão física.

Ao deixarem o gramado em direção aos vestiários, Sassá e Mayke continuaram a discussão e precisaram ser contidos.

Terceiro denunciado, Diogo Barbosa também foi expulso com vermelho direto por, segundo a súmula, atingir Lucas Romero com um tapa no rosto. O camisa 6 do Cruzeiro foi denunciado por agressão física.

Apesar dos três atletas terem sido denunciados por infração ao artigo 254-A, a Procuradoria pede que Sassá seja punido de forma diferenciada por ter cometido infração com gravidade maior que os demais atletas.

Palmeiras e Cruzeiro denunciados:

Imagens mostraram ainda torcedores do Palmeiras em confronto com seguranças na tentativa de invasão da área destinada à imprensa. O fato rendeu denúncia ao clube visitante por infração ao artigo 191, inciso III por descumprimento do artigo 66 do Regulamento Geral das Competições 2018:

Art. 66 - Os clubes, sejam mandantes ou visitantes, são responsáveis por qualquer conduta imprópria do seu respectivo grupo de torcedores nos termos do art. 6729 do Código Disciplinar da FIFA.

Parágrafo único - A conduta imprópria inclui particularmente tumulto, desordem, invasão de campo, violência contra pessoas ou objetos, uso de laser ou de artefatos incendiários, lançamento de objetos, exibição de slogans ofensivos ou com conteúdo político, ou sob qualquer forma, a utilização de palavras, gestos ou músicas ofensivas.

Por entender que a segurança conseguiu conter e agiu para reprimir a conduta, a Procuradoria não denunciou o Cruzeiro, mandante , pelo fato.

Palmeiras e Cruzeiro foram denunciados ainda por atraso no início e reinício da partida . No início, por descumprir o RGC, o Palmeiras foi denunciado no artigo 191, inciso III. No reinício, o Palmeiras entrou em campo com um minuto de atraso e a equipe do Cruzeiro com dois minutos. Ambos foram denunciados no artigo 206 e podem ser multados em até R$ 1 mil, por minuto.


As informações de cunho jornalístico produzidas pela Assessoria de Imprensa do STJD não produzem efeito legal.