LEIA MAIS@ 19/09/2018 - 13h49 | Pleno reforma pena de Zé Carlos
LEIA MAIS@ 19/09/2018 - 13h03 | Corinthians acolhe transação para Clayson
LEIA MAIS@ 19/09/2018 - 12h26 | STJD nega pedido de impugnação do Palmeiras
LEIA MAIS@ 17/09/2018 - 11h42 | Pleno: sessão na próxima quarta
LEIA MAIS@ 14/09/2018 - 16h23 | Presidente defere liminar do Atlético/MG

Coritiba x Figueirense: processo retorna à pauta
15/08/2018 18h00 | STJD

STJD
a A

O processo envolvendo Coritiba e Figueirense por tumulto ocorrido na Série B do Campeonato Brasileiro retornou para a pauta de julgamentos da Quarta Comissão Disciplinar do STJD do Futebol. Denunciados por desordem, os clubes estavam na pauta da última semana, mas o processo foi adiado a pedido da defesa do Figueirense, que teve um contratempo. O caso será julgado nesta sexta, dia 17 de agosto, a partir das 10h.

Entenda o caso:

O episódio de desordem ocorreu no duelo entre as equipes realizado no dia 23 de junho. Na súmula a arbitragem narrou que houve princípio de tumulto em dois momentos distintos da partida na arquibancada onde estava localizada a torcida do Figueirense.

“Informamos que no nosso retorno ao campo de jogo no intervalo da partida, observamos um principio de tumulto no local destinado a torcida do Figueirense FC, entre os torcedores do Figueirense e os seguranças da empresa privada contratada pelo Coritiba. Imediatamente houve a chegada do policiamento militar no local que controlou a situação. Aos 07 minutos do 2º tempo houve novamente um principio de tumulto no mesmo local, que necessitou da intervenção da policia militar com uso de artefato explosivo de efeito moral, rapidamente controlada a situação novamente pelo policiamento, sendo preso um torcedor da equipe do Figueirense, conforme B.O. nº 2018/718436. Informo ainda que não houve a necessidade de paralisação da partida, que transcorreu normalmente sem nenhum outro incidente até o seu término”, escreveu o árbitro.

A Procuradoria denunciou então o Figueirense, responsável pela torcida infratora e o Coritiba, mandante e responsável pela organização e segurança da partida. Os clubes foram inseridos no artigo 213 do CBJD por deixar de prevenir e reprimir desordem. A pena prevista no artigo é de multa que pode variar entre R$ 100 e R$ 100 mil.


As informações de cunho jornalístico produzidas pela Assessoria de Imprensa do STJD não produzem efeito legal.