LEIA MAIS@ 18/10/2017 - 18h47 | Atletas do Sport suspensos
LEIA MAIS@ 18/10/2017 - 16h01 | Cruzeiro multado por arremesso de objetos
LEIA MAIS@ 18/10/2017 - 10h34 | STJD realiza seminário contra a violência
LEIA MAIS@ 11/10/2017 - 11h52 | Sport x Vasco em pauta
LEIA MAIS@ 11/10/2017 - 10h08 | Cruzeiro: Infração na final da Copa BR

Corinthians: Pleno mantém decisões
06/04/2017 17h32 | STJD

Daniela Lameira / Site STJD
a A

O STJD do Futebol negou provimento aos dois recursos da Procuradoria envolvendo o Corinthians pelo uso de sinalizador em duas partidas da Copa do Brasil. Em julgamento realizado nesta quinta, dia 6 de abril, os Auditores mantiveram as decisões proferidas em primeira instância para absolver o clube paulista de infração na partida contra o Luverdense e manter a multa de R$ 1 mil pelo uso de sinalizador na partida contra o Brusque.

Confira abaixo detalhes dos processos:

Processo nº 043/2017 - Recurso Voluntário - Recorrente: Procuradoria da Quarta Comissão Disciplinar – Recorrido: Luverdense E.C. e S. C. Corinthians. 

Denunciado pelo uso de sinalizador em sua torcida na partida contra o Luverdense, o clube foi julgado e absolvido em sessão da Quarta Comissão Disciplinar do STJD. Após a decisão a Procuradoria recorreu e pediu uma punição ao clube paulista por descumprimento do artigo 213, inciso I do Código Brasileiro de Justiça Desportiva por deixar de prevenir e reprimir desordem. Em última instância os Auditores negaram provimento ao pedido da Procuradoria e mantiveram a absolvição do clube.

Processo nº 045/2017 - Recurso Voluntário -  Recorrente: Procuradoria da Terceira Comissão Disciplinar – Recorrido: Brusque Futebol Clube (SC) e Sport Club Corinthians (SP).

Denunciados pelo uso de um sinalizador onde estava localizada a torcida do Corinthians, o clube paulista foi multado em R$ 1 mil em primeira instância no STJD, enquanto o Brusque, mandante da partida, foi absolvido. Por discordar da decisão proferida, a Procuradoria recorreu pedindo a majoração da pena aplicada ao Corinthians e a punição também ao Brusque. No Pleno, após ouvir o advogado João Zanforlin, o Presidente Ronaldo Botelho Piacente colheu os votos dos Auditores. Por unanimidade, foi negado provimento para manter a decisão aplicada em primeira instância.


As informações de cunho jornalístico produzidas pela Assessoria de Imprensa do STJD não produzem efeito legal.