LEIA MAIS@ 20/11/2019 - 16h40 | Pleno mantém pena a Hélio dos Anjos
LEIA MAIS@ 20/11/2019 - 15h33 | Pleno absolve Maurício Galiotte
LEIA MAIS@ 14/11/2019 - 18h00 | Pleno: Sessão no IV Congresso Brasileiro de Direito Desportivo
LEIA MAIS@ 14/11/2019 - 17h09 | Bota x Fla: clássico em pauta
LEIA MAIS@ 14/11/2019 - 16h11 | CRU X CAM: Clubes denunciados no STJD

Comissão pune Fortaleza e presidente
08/11/2019 13h56 | STJD

Daniela Lameira / Site STJD
a A

A Quarta Comissão Disciplinar do STJD do Futebol julgou nesta sexta, dia 8 de novembro, o Fortaleza, o presidente Marcelo Paz e o goleiro Felipe Alves por infrações na partida contra o Flamengo. No total, o Fortaleza recebeu multa de R$ 4 mil por atrasar o reinício e arremesso de objetos no campo de jogo; o presidente suspenso por 15 dias por declaração desrespeitosa contra a arbitragem, enquanto o goleiro da equipe foi absolvido. A decisão cabe recurso.

O Fortaleza foi denunciado pela Procuradoria por dar acusa ao atraso de dois minutos no reinício da partida e pelo arremesso de duas garrafas plásticas, um copo e um chinelo, ambas condutas narradas na súmula da partida.

Após o término do jogo o goleiro Felipe Alves concedeu entrevista e afirmou que sua equipe foi prejudicada de forma intencional. Já o presidente criticou de forma desrespeitosa a arbitragem e declarou em coletiva que “o Fortaleza está sendo roubado”.

O jurídico do Fortaleza dividiu as defesas. A advogada Patrícia Saleão defendeu o clube e o goleiro e o advogado Marcello Desidério sustentou em favor do presidente Marcelo Paz.

Após as sustentações, o presidente Luiz Felipe Bulus colheu os votos. Por unanimidade de votos, multado o Fortaleza em R$ 2 mil por atraso descrito no artigo 206 do CBJD e absolvido o goleiro Felipe Alves da denúncia no artigo 258, inciso II. Por maioria dos votos, multado o Fortaleza em R$ 2 mil pelo arremesso de objetos em campo descrito no artigo 213, inciso III do CBJD e suspenso por 15 dias o presidente Marcelo Paz por desrespeito previsto no artigo 258, inciso II do CBJD.


As informações de cunho jornalístico produzidas pela Assessoria de Imprensa do STJD não produzem efeito legal.