LEIA MAIS@ 14/10/2019 - 19h40 | Fla entra com liminar para liberação de Reinier
LEIA MAIS@ 14/10/2019 - 14h50 | Flu: Atletas, Oswaldo, gerente, gandula e clube punidos
LEIA MAIS@ 11/10/2019 - 15h17 | Náutico multado por arremesso e invasão de campo
LEIA MAIS@ 11/10/2019 - 12h02 | Inter: Comissão adverte Bruno e suspende Guerrero e Melo
LEIA MAIS@ 10/10/2019 - 15h57 | Pleno pune Decisão/PE por descumprir regulamento

Bota x Juve: Pleno majora pena de atletas
18/06/2019 19h58 | STJD

Daniela Lameira / Site STJD
a A

O Pleno do Superior Tribunal de Justiça Desportiva do Futebol julgou nesta terça, dia 19 de junho, em sessão itinerante em Salvador, o recurso da Procuradoria contra os atletas João Paulo, do Botafogo, e Paulo Sérgio, do Juventude. Punidos em primeira instância com uma partida de suspensão, os jogadores tiveram a pena majorada para dois jogos em última instância. A decisão foi proferida por oito votos contra um que majorava para quatro partidas.

Joao Paulo e Paulo Sérgio foram expulsos no jogo de ida entre as equipes pelas Terceira fase da Copa do Brasil. Na súmula da partida o árbitro narrou as expulsões dos atletas por conduta violenta e informou um tapa do jogador do Juventude e  o revide do jogador do Botafogo com a mão fechada.

Denunciados pela prática de agressão física descrita no artigo 254-A do CBJD, os atletas tiveram a conduta desclassificada para ato desleal ou hostil no artigo 250 e receberam uma partida de suspensão, cada.

Discordando da decisão, a Procuradoria recorreu ao Pleno pedindo uma punição maior aos atletas.

No Pleno, em sessão itinerante realizada no Workshop Justiça Desportiva em Salvador, os advogados Aníbal Rouxinol (Botafogo) e Osvaldo Sestário (Juventude) pediram a manutenção da pena. Os Auditores assistiram a prova de vídeo da Procuradoria e não acolheram o pedido dos clubes.

No entendimento do relator do processo, Auditor Ronaldo Piacente, houve agressão física entre os atletas e, por isso, votou para suspender ambos por quatro partidas, cada, no artigo 254-A do CBJD.

Já os Auditores Otávio Noronha, Décio Neuhaus, João Bosco, José Perdiz , Mauro Marcelo de Lima e Silva, Antônio Vanderler, Arlete Mesquita e o Presidente Paulo César Salomão Filho votaram para manter a desclassificação no artigo 250 por ato desleal ou hostil e majorar a pena para dois jogos de suspensão para os atletas.


As informações de cunho jornalístico produzidas pela Assessoria de Imprensa do STJD não produzem efeito legal.